sicnot

Perfil

Economia

Isabel dos Santos suspende venda de todos os ativos da Sonangol

A administração da petrolífera angolana Sonangol, liderada desde junho pela empresária Isabel dos Santos, suspendeu todos os processos de negociação e alienação de todo o património do grupo, segundo deliberações a que a Lusa teve acesso.

A decisão, agora conhecida e autorizada por Isabel dos Santos, foi tomada por deliberação de 27 de junho do conselho de administração e prevê a suspensão "com efeitos imediatos" de "todos os processos em curso de avaliação, negociação e alienação de todo e qualquer património afeto à Sonangol E.P. e suas subsidiárias".

Embora não sejam públicas intenções de venda de ativos, a deliberação 033/2016 clarifica ainda que, no âmbito dos efeitos desta deliberação, integram o património da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) os ativos e bens mobiliários e imobiliários, incluindo "as participações sociais em empresas nacionais e internacionais".

Em Portugal, a Sonangol, o maior grupo empresarial (totalmente público) angolano, tem participações diretas e indiretas no Millennium BCP e na Galp, enquanto em Angola tem dezenas empresas do grupo em vários setores de atividade, além da função de concessionária do setor petrolífero e operadora.

A Lusa noticiou a 07 de junho que o Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, incumbiu a nova administração da Sonangol, liderada pela filha, Isabel dos Santos, de reorganizar a carteira de negócios da petrolífera estatal angolana e suas subsidiárias.

A informação consta do decreto assinado pelo chefe de Estado angolano, com data 03 de junho e ao qual a Lusa teve acesso, com a nomeação da nova administração da Sonangol, empossada três dias depois.

"O conselho de administração ora designado deve implementar o modelo de reorganização da carteira de negócios da Sonangol EP, suas subsidiárias e participadas nos termos previstos no modelo de ajustamento à organização do setor dos petróleos", lê-se no decreto assinado por José Eduardo dos Santos, nomeando Isabel dos Santos para o cargo de presidente do conselho de administração e administradora não executiva da petrolífera.

Numa outra deliberação da Sonangol (034/2016), saída da mesma reunião ordinária da empresa, de 27 de junho, à qual a Lusa teve hoje acesso, refere-se que são igualmente revogados com efeitos imediatos "todos os mandatos em vigor outorgados no âmbito e para a prática" de atos relativos a processos judiciais envolvendo a petrolífera.

Aquando da tomada de posse, a empresária e filha do chefe de Estado angolano explicou que o modelo de reestruturação da Sonangol prevê a criação de uma holding operacional, outra de apoio e serviços logísticos e a função concessionária do setor petrolífero propriamente dito, com o objetivo de "aumentar a rentabilidade, a eficácia a transparência" da empresa.

"A reestruturação quer dizer o acontecimento destas três novas entidades", disse Isabel dos Santos, mas sem adiantar se o processo implica redução no número de trabalhadores, que ultrapassa os 9.000 em pelo menos 17 subsidiárias do grupo Sonangol.

Acrescentou que o "desafio nos próximos 100 dias" passa por "continuar a fazer o diagnóstico profundo" já iniciado, para "perceber melhor os ganhos de eficácia e eficiência que a empresa pode obter rapidamente".

"O trabalho que vamos fazer é ver como é que nós podemos aumentar as margens de lucro, ou seja como podemos baixar os custos de produção. Para que seja mais barato produzir petróleo e haja mais lucro", disse Isabel dos Santos.

Como presidente da comissão executiva - novo órgão entretanto criado pelo Governo angolano para a petrolífera estatal -, e administrador executivo, tomou posse Paulino Fernando de Carvalho Jerónimo, que transita do conselho de administração anterior, que era liderado desde 2012 por Francisco de Lemos José Maria, exonerado das funções pelo chefe de Estado angolano.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.