sicnot

Perfil

Economia

Preço das casas em Portugal subiu 5,4% com exceção do Alentejo e da Madeira

O preço das casas em Portugal aumentou 5,4% no segundo trimestre deste ano, em relação ao primeiro trimestre, com exceção do Alentejo e da Madeira, que registaram uma descida de 3,3%, segundo dados da plataforma imobiliária Idealista hoje divulgados.

"Com esta subida, o preço da habitação situa-se nos 1.187 euros por metro quadrado", revelou o índice de preços da plataforma Idealista.

No segundo trimestre deste ano, face ao trimestre anterior, a região de Lisboa verificou uma subida de 6% no valor a pagar pelas casas, com o preço a rondar os 1.451 euros por metro quadrado, pelo que "continua a ser a região mais cara" do país.

Depois de Lisboa, o Algarve é a segunda região mais cara para comprar casa em Portugal, uma vez que o preço se situa nos 1.361 euros por metro quadrado, após o aumento de 4% registado entre maio e junho deste ano.

De acordo com o índice de preços, o valor a pagar pelas casas também subiu na região Norte - onde a habitação custa 907 euros por metro quadrado, depois de um aumento de 2% - e na região Centro, que verificou uma subida de 1,9% e colocou o valor nos 948 euros por metro quadrado.

"Excluindo o Alentejo e a Madeira, todas as regiões viram os seus preços aumentarem", sublinhou a plataforma Idealista, referindo que nestas duas regiões "os proprietários pedem menos 3,3% pelas suas casas em relação ao primeiro trimestre de 2016".

Apesar da descida do preço das casas, a Madeira ocupa a terceira posição da tabela das regiões mais caras para adquirir habitação em Portugal, com o valor a situar-se nos 1.102 euros por metro quadrado, seguida do Alentejo, onde o preço a pagar é de 1.101 euros por metro quadrado.

Por distritos, o maior aumento do preço das casas foi em Lisboa (9,1%), seguindo-se Castelo Branco (6,7%) e Faro (4%). Já a maior descida foi registada na Madeira (-3,3%), seguida por Viana do Castelo (-3%) e Setúbal (-1,1%).

"Em comparação com o primeiro trimestre de 2016, os distritos que viram os seus preços subirem foram 11", afirmou a plataforma imobiliária.

Durante o segundo trimestre deste ano, o ranking dos distritos mais caros é liderado por Lisboa, seguida por Faro e Coimbra, enquanto Santarém, Braga e Castelo Branco são os distritos com os preços mais reduzidos.

No ponto de vista das capitais de distrito, o aumento do preço das casas registou-se em oito capitais, mas a subida mais acentuada foi em Castelo Branco (7,5%), seguida pelo Porto (4,4%) e Beja (3,9%). Por outro lado, Coimbra assistiu a uma descida dos preços (-6,2%), assim como Viana do Castelo (-3,8%) e Aveiro (-2,8%).

"Lisboa é a capital de distrito onde é mais caro comprar, sendo 2.716 euros por metro quadrado", frisou o índice de preço, afirmando que de seguida encontra-se o Porto e Coimbra.

Os dados da plataforma Idealista indicam ainda as capitais de distrito mais económicas para comprar casa são Braga, Santarém e Castelo Branco.

Segundo a plataforma imobiliária Idealista - usada em Portugal para comprar, vender ou arrendar -, este índice de preços imobiliários analisou "40.926 anúncios que estão ou já estiveram anunciados na base de dados do Idealista, entre 15 de abril e 15 de junho de 2016".

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.