sicnot

Perfil

Economia

Presidente diz que não faz sentido discutir medidas adicionais agora

O Presidente da República afirmou hoje estar sereno com a questão das eventuais sanções a Portugal, referindo que se deve esperar pela decisão do Ecofin, e que, neste momento, não faz "muito sentido" debater as medidas adicionais.

JOSE COELHO / LUSA

"Não sou otimista, eu sempre fui realista e estou sereno, exatamente como o Governo, estou sereno. Não há novidade, está exatamente aquilo que se esperava", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas a bordo de um barco no rio Douro, junto ao Pocinho [Guarda] na iniciativa de encerramento do "Portugal Próximo".

O chefe de Estado explicou que a Comissão Europeia deverá divulgar na quinta-feira a sua posição quanto às sanções a Portugal, num mini relatório resultante da reunião de terça-feira desta semana.

Marcelo Rebelo de Sousa frisou contudo que a "palavra política decisiva" caberá depois aos representes dos Estados-membros.

O chefe de Estado lembrou que o conselho de ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) está "em teoria" previsto para o dia 12 de julho e pode "apreciar ou não politicamente" esta questão.

O Presidente da República considerou ainda que, em Espanha, "não há metade da especulação que há em Portugal" sobre esta questão, "talvez porque Espanha esteja a formar Governo e em Portugal haja Governo e portanto Governo e oposição façam disto uma questão de luta política".

Quanto à eventual necessidade de medidas adicionais considerou que é "uma questão que, neste momento, ainda não faz muito sentido, estar a ser debatida".

"Estamos à espera de ver qual é a avaliação técnica e depois a reação política, se há ou não há sanções e quando são e como são. Só depois disso é que se poderia discutir medidas adicionais e, depois disso, é uma altura em que o Orçamento [do Estado] para 2017 já está praticamente pronto", frisou.

Acrescentou que o Orçamento do Estado tem que entrar em outubro na Assembleia da República, estar pronto em setembro e ser objeto de conversas com a Comissão Europeia antes disso.

Portanto, concluiu que "enquanto se fala ou não fala do processo do ano anterior, está a ser executado 2016 e está a ser preparado 2017".

"Mas está bem, até lá pode-se discutir as medidas adicionais indefinidamente mas eu temo que se discuta em seco, pelo menos nas próximas semanas", sublinhou.

Lusa

  • Criança em estado muito grave após ataque de cão em Matosinhos

    País

    Uma criança foi hoje atacada em Leça do Balio, Matosinhos, por um cão de raça perigosa, tendo sido transportada para o Hospital Pedro Hispano em "estado muito grave" e "praticamente desfigurada". A mãe da criança também foi atacada pelo cão e encontra-se em estado grave. Ambas foram posteriormente transferidas para o Hospital de S. João.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.