sicnot

Perfil

Economia

Presidente diz que não faz sentido discutir medidas adicionais agora

O Presidente da República afirmou hoje estar sereno com a questão das eventuais sanções a Portugal, referindo que se deve esperar pela decisão do Ecofin, e que, neste momento, não faz "muito sentido" debater as medidas adicionais.

JOSE COELHO / LUSA

"Não sou otimista, eu sempre fui realista e estou sereno, exatamente como o Governo, estou sereno. Não há novidade, está exatamente aquilo que se esperava", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas a bordo de um barco no rio Douro, junto ao Pocinho [Guarda] na iniciativa de encerramento do "Portugal Próximo".

O chefe de Estado explicou que a Comissão Europeia deverá divulgar na quinta-feira a sua posição quanto às sanções a Portugal, num mini relatório resultante da reunião de terça-feira desta semana.

Marcelo Rebelo de Sousa frisou contudo que a "palavra política decisiva" caberá depois aos representes dos Estados-membros.

O chefe de Estado lembrou que o conselho de ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) está "em teoria" previsto para o dia 12 de julho e pode "apreciar ou não politicamente" esta questão.

O Presidente da República considerou ainda que, em Espanha, "não há metade da especulação que há em Portugal" sobre esta questão, "talvez porque Espanha esteja a formar Governo e em Portugal haja Governo e portanto Governo e oposição façam disto uma questão de luta política".

Quanto à eventual necessidade de medidas adicionais considerou que é "uma questão que, neste momento, ainda não faz muito sentido, estar a ser debatida".

"Estamos à espera de ver qual é a avaliação técnica e depois a reação política, se há ou não há sanções e quando são e como são. Só depois disso é que se poderia discutir medidas adicionais e, depois disso, é uma altura em que o Orçamento [do Estado] para 2017 já está praticamente pronto", frisou.

Acrescentou que o Orçamento do Estado tem que entrar em outubro na Assembleia da República, estar pronto em setembro e ser objeto de conversas com a Comissão Europeia antes disso.

Portanto, concluiu que "enquanto se fala ou não fala do processo do ano anterior, está a ser executado 2016 e está a ser preparado 2017".

"Mas está bem, até lá pode-se discutir as medidas adicionais indefinidamente mas eu temo que se discuta em seco, pelo menos nas próximas semanas", sublinhou.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.