sicnot

Perfil

Economia

Costa reitera compromisso de cumprir recomendações em carta enviada a Juncker

O primeiro-ministro, António Costa, reafirmou, numa carta enviada ao presidente da Comissão Europeia, que Portugal está "totalmente comprometido" em cumprir as recomendações relativas ao défice excessivo e ao Pacto de Estabilidade e Crescimento.

© Fabrizio Bensch / Reuters

Na carta enviada a Jean-Claude Juncker e ao presidente do Conselho da Europa, Roberto Fico, divulgada hoje pelo jornal Público, António Costa afirma que "existem fortes argumentos económicos e políticos para permitir que ambas as instituições -- Comissão e Conselho -- concluam que houve ação efetiva para corrigir o défice excessivo em 2015".

Nesse sentido, o primeiro-ministro apela a que seja posta de lado a possibilidade de aplicar sanções a Portugal.

"No presente momento, não há dúvida de que esta será a opção certa para tomar, pois é a única que serve os interesses tanto do futuro de Portugal como do futuro da União Europeia", defende António Costa na carta, que também foi enviada ao primeiro-ministro da Eslováquia, Roberto Fico, que detém a presidência rotativa da União Europeia.

Na missiva, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o primeiro-ministro admite que "Portugal precisa claramente de um melhor equilíbrio para assegurar a solidez das finanças públicas e uma mudança estrutural".

"É agora tempo de um enfoque estrutural para resolver as nossas fraquezas estruturais", sublinha António Costa na carta, que é conhecida no dia em que a Comissão Europeia vai divulgar a posição de remeter a decisão sobre a aplicação de sanções para a reunião do Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia, na próxima terça-feira.

António Costa adianta que a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu têm conhecimento de que a execução orçamental entre janeiro e abril deste ano se tem mantido nos limites previstos.

Justifica que o défice em 2015 foi de 3,2%, ou seja, teve um desvio de 0,2%, correspondente a menos de 350 milhões de euros.

Segundo o primeiro-ministro, deve ser valorizado o facto de, em resultado do processo de ajustamento, o défice português, excluindo as medidas temporárias e excecionais, ter baixado de 8,6% em 2010 para 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015.

Para António Costa, a "existência de um défice excessivo não deve resultar na aplicação automática de sanções", advertindo que "as consequências devem ser avaliadas e consideradas no contexto dos esforços já realizados".

Nesse sentido, o primeiro-ministro considera que "seria injusto punir um Estado-membro que está no caminho certo para corrigir o défice excessivo quanto está prestes a consegui-lo".

Outro argumento apontado por António Costa é que será contraproducente a aplicação de sanções, porque tornará mais difícil a consolidação orçamental e terá impacto negativo nos mercados financeiros internacionais.

O último argumento apresentado pelo primeiro-ministro é de que as sanções não seriam bem compreendidas pelos portugueses que têm atravessado uma dura recessão económica e medidas de austeridade, arriscando-se a encorajar sentimentos antieuropeus.

A missiva que o resultado do referendo no Reino Unido ('Brexit') e as implicações sistémicas que têm ocorrido e vão continuar a ocorrer na União Europeia merecem uma melhor consideração política sobre os efeitos que esta decisão pode ter.

Com Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.