sicnot

Perfil

Economia

Viticultores do Douro queixam-se de avultados prejuizos devido a chuva e granizo

Viticultores do Douro queixam-se de elevados prejuízos nas vinhas por causa da "chuva torrencial e granizo" que atingiram hoje 11 aldeias do concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real.

Giovanna Dell'Orto

Sérgio Gonçalves chegou ao final da tarde a Souto Maior e encontrou a sua vinha, inserida na Região Demarcada do Douro, "completamente destruída".

"Tenho meio hectare e este era o primeiro ano de produção que ia entregar na adega e perdeu-se tudo. Estava a trabalhar na barragem do Tua e lá não aconteceu nada disto", afirmou o pequeno produtor à agência Lusa, referindo-se à quantidade de chuva.

Foi quase uma hora de chuva intensa, acompanhada de granizo, que "esfarraparam as folhas das videiras, quebraram as varas e deitaram os cachos das uvas ao chão".

"Agora é tratar as videiras para o ano darem alguma coisa. Cicatrizarem para o próximo ano. Tenho seguro. Mas é chato andarmos a trabalhar para chegarmos e vermos tudo destruído, lamentou.

O presidente da Câmara de Sabrosa, José Marques, andou este final de tarde pelo concelho a ver os estragos provocados pelo mau tempo que atingiu 11 aldeias das freguesias de Souto Maior, Sabrosa e Vilarinho de São Romão".

"De facto é desolador ver que há aqui vinhas que estão profundamente afetadas. Presumo que temos aqui uma situação em que a produção está completamente comprometida", disse à Lusa.

Em Souto Maior, o autarca disse que pode "ver uma dimensão significativa de vinhas fortemente atingidas e depois as também hortas completamente desfeitas".

"Nota-se e bem os efeitos do granizo. As videiras estão esfarrapadas, estão fustigadas pelo granizo, pelo temporal que se abateu sobre elas. As videiras estão derreadas e nota-se que foram fortemente atingidas na folhagem e no próprio caule da planta", descreveu.

O presidente afirmou que vai pedir para que os técnicos da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) se desloquem "o mais rapidamente possível ao terreno para efetuarem uma avaliação dos estragos".

José Marques referiu ainda que a força da água "era tremenda" e também provocou estragos na parte baixa da sede de concelho.

Ao longo da rua direita a água da chuva entrou em cerca de uma dúzia de estabelecimentos comerciais, algumas habitações particulares, na igreja e no rés-do-chão da câmara.

A prioridade, segundo José Marques, "vai ser desobstruir as ruas da vila e das aldeias e depois avançar para os caminhos rurais".

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.