sicnot

Perfil

Economia

Durão Barroso nomeado presidente não executivo da Goldman Sachs

Durão Barroso vai ser o próximo presidente do conselho de administração e também consultor do Goldman Sachs. É um dos maiores e mais polémicos bancos de investimento do mundo, com conhecidas ligações a governos, políticos e ex-políticos. A nomeação de Durão Barroso vai ser anunciada esta tarde.

© Christian Hartmann / Reuters (Arquivo)

A Goldman Sachs International anunciou hoje a nomeação de José Manuel Durão Barroso para seu presidente não executivo e consultor do banco de investimento.

"A sua perspetiva, capacidade de avaliação e aconselhamento irão acrescentar muito valor ao Conselho de Administração da Goldman Sachs International, à Goldman Sachs, aos seus acionistas e trabalhadores", refere a instituição com sede em Nova Iorque, em comunicado.

Durão Barroso foi presidente da Comissão Europeia de 2004 a 2014 e primeiro-ministro de Portugal de 2002 a 2004.

Foi eleito pela primeira vez para o parlamento português em 1985, ocupando em sucessivos governos os cargos de secretário de Estado da Administração Interna, secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, e ministro dos Negócios Estrangeiros.

Em 1999, foi eleito presidente do Partido Social Democrata e tornou-se líder da oposição.

Antes de iniciar a sua vida política, Durão Barroso assumiu várias posições académicas, entre as quais como professor convidado da Georgetown University.

Mais recentemente, sinaliza a nota, foi professor convidado de Política Económica Internacional na Universidade de Princeton.

É atualmente também professor convidado na Universidade Católica, em Lisboa, na Universidade de Genebra, e no Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento na mesma cidade.

José Manuel Durão Barroso foi reconhecido com vários graus honorários e recebeu mais de 60 condecorações, prémios e distinções, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e o Grande Colar da Ordem do Infante Dom Henrique.

Com Lusa

  • "Nem o Governo anterior nem o Banco de Portugal fizeram alertas sobre a banca"
    1:10

    Economia

    Numa entrevista à SIC e ao Expresso onde anuncia o abandono da vida política, Durão Barroso explica que a decisão de Portugal não ter utilizado todo o dinheiro que a troika tinha disponibilizado para a banca foi da exclusiva responsabilidade do anterior Governo e do Banco de Portugal. Barroso diz que o dinheiro esteve sempre à disposição, Portugal é que não o quis utilizar.

  • Barroso faz balanço de mais de 30 anos de carreira no adeus à vida política
    1:07

    País

    Durão Barroso diz adeus à vida política. Numa entrevista à SIC e ao Expresso, o ex-presidente da Comissão Europeia anunciou a vontade de não regressar à política e fez um balanço de uma carreira com mais de 30 anos. Sobre uma das decisões mais polémicas, a de promover a Cimeira das Lajes, Durão Barroso garantiu que Jorge Sampaio, na altura Presidente da República, sabia de tudo e concordou com a realização da Cimeira.

  • Durão Barroso vai regressar aos EUA para se dedicar ao ensino
    8:31

    País

    Numa entrevista exclusiva à SIC e ao Expresso, o ex-Presidente da Comissão Europeia anunciou que vai regressar dos Estados Unidos, onde viveu o último ano e meio, para se dedicar ao ensino e também para trabalhar no setro privado, provavelmente fora de Portugal. Na entrevista, faz também o balanço de trinta anos de vida política.

  • Mais cinco ilhas dos Açores sob aviso vermelho

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) elevou esta quarta-feira para vermelho o aviso para as cinco ilhas do grupo central dos Açores, onde no Faial o vento atingiu os 150 quilómetros por hora.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.