sicnot

Perfil

Economia

Governo congela descontos nas portagens do Algarve e Interior

A não-resolução das negociações entre o Governo e a concessionária da A23 levaram o Executivo a congelar os descontos nas portagens da A22, A23, A24 e A25, por considerar que as reduções terão de ser feitos em simultâneo em todas as ex-scut.

(SIC/ Arquivo)

O Governo português ainda não cumpriu a promessa de baixar o preço das portagens do Algarve e do Interior, apesar de ter prometido que o faria antes do início do verão.

Segundo o Jornal de Notícias, uma fonte ligada ao Ministério do Planeamento confirmou que o impasse da redução dos preços está relacionado com a não-resolução das negociações do Governo com o consórcio da A23 (Scutvias), autoestrada que liga Torres Novas à Guarda.

A mesma fonte referiu ser "impossível avançar com datas" e que a redução do valor das portagens (que ainda não foi revelado) só irá acontecer quando "houver condições para o fazer, em simultâneo, em todo o país".

Em abril, Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, disse que "a renegociação da A23, realizada pelo Governo anterior, passou as receitas das portagens para o concessionário e o Estado tem que iniciar uma negociação. Estamos amarrados", concluiu.

Para além da A23, a promessa do Governo envolve também a redução do valor das portagens da A22, A23, A24 e da A25.

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15