sicnot

Perfil

Economia

Governo congela descontos nas portagens do Algarve e Interior

A não-resolução das negociações entre o Governo e a concessionária da A23 levaram o Executivo a congelar os descontos nas portagens da A22, A23, A24 e A25, por considerar que as reduções terão de ser feitos em simultâneo em todas as ex-scut.

(SIC/ Arquivo)

O Governo português ainda não cumpriu a promessa de baixar o preço das portagens do Algarve e do Interior, apesar de ter prometido que o faria antes do início do verão.

Segundo o Jornal de Notícias, uma fonte ligada ao Ministério do Planeamento confirmou que o impasse da redução dos preços está relacionado com a não-resolução das negociações do Governo com o consórcio da A23 (Scutvias), autoestrada que liga Torres Novas à Guarda.

A mesma fonte referiu ser "impossível avançar com datas" e que a redução do valor das portagens (que ainda não foi revelado) só irá acontecer quando "houver condições para o fazer, em simultâneo, em todo o país".

Em abril, Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, disse que "a renegociação da A23, realizada pelo Governo anterior, passou as receitas das portagens para o concessionário e o Estado tem que iniciar uma negociação. Estamos amarrados", concluiu.

Para além da A23, a promessa do Governo envolve também a redução do valor das portagens da A22, A23, A24 e da A25.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.