sicnot

Perfil

Economia

Investimento empresarial em Portugal deverá crescer 6% em 2016

O investimento empresarial deverá crescer 6% em termos nominais em 2016, valor que compara com uma primeira estimativa de 3,1% obtida no inquérito anterior, de outubro de 2015, divulgou hoje o INE.

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

As intenções manifestadas pelas empresas no Inquérito de Conjuntura ao Investimento de abril de 2016 do Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram contudo que em 2015 se registou uma ligeira diminuição de 0,2% da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) empresarial em termos nominais face ao ano anterior.

Esta taxa representou uma ligeira revisão em baixa de 0,3 pontos percentuais face ao resultado obtido no inquérito de outubro de 2015.

Ainda assim, o INE diz que se perspetiva entre 2015 e 2016 um aumento do peso relativo do investimento associado à racionalização e restruturação e, em menor grau, do investimento orientado para a extensão da capacidade produtiva.

Além disso, o investimento de substituição deverá perder importância relativa, continuando, no entanto, a ser o objetivo mais referido.

Segundo o INE, o principal fator limitativo do investimento empresarial identificado pelas empresas nos dois anos analisados foi a deterioração das perspetivas de venda, seguindo-se a incerteza sobre a rentabilidade dos investimentos.

Entre 2015 e 2016, prevê-se uma diminuição do peso relativo da insuficiência da capacidade produtiva e da deterioração das perspetivas de venda e um aumento do peso relativo da dificuldade em obter crédito bancário.

No que diz respeito à dimensão das empresas por escalões de pessoal ao serviço, o INE destaca as que pertencem ao 4.º escalão, ou seja, com 500 ou mais pessoas, por registarem o contributo negativo mais significativo (-3,1 pontos percentuais) para a variação do investimento em 2015, traduzindo uma queda de 8,6%.

Já as empresas do 2.º escalão (entre 50 e 249 pessoas ao serviço), apresentaram o contributo positivo mais intenso (dois pontos percentuais), devido ao aumento de 6,9% do investimento.

Os dados revelam também que o aumento da Formação Bruta de Capital Fixo em 2016 se deve sobretudo ao contributo positivo de 7,4 pontos percentuais das empresas pertencentes ao 4.º escalão, na sequência de uma taxa de variação de 22,4%, seguindo-se o contributo de 1,2 pontos percentuais das empresas do 3.º escalão (entre 250 e 499 pessoas ao serviço) e o contributo de 0,7 pontos percentuais das empresas do 2.º escalão.

Pelo contrário, as empresas do 1.º escalão, com menos de 50 pessoas ao serviço, apresentaram um contributo negativo de 3,4 pontos percentuais, em resultado de uma redução de 13,4% do investimento em 2016.

Relativamente a 2016, perspetiva-se um aumento de 19,8% do investimento empresarial nas empresas exportadoras, significativamente acima ao crescimento previsto para o conjunto das empresas da secção de Indústrias Transformadoras (crescimento de 6,8%) e do aumento para o total de empresas (6%).

O indicador de difusão do investimento (percentagem de empresas que refere a realização de investimentos ou a intenção de investir) manteve o habitual perfil descendente nos três anos analisados, situando-se em 87,8%, 81,1% e 79,1%, em 2014, 2015 e 2016, respetivamente.

Com Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Karlie Kloss, o "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59