sicnot

Perfil

Economia

Pharol convicta de que administração da Oi está a atuar no melhor interesse da operadora

A Pharol, acionista de referência da Oi, afirmou hoje que está convicta de que o Conselho de Administração da operadora de telecomunicações brasileira está a cumprir e a atuar no melhor interesse da empresa.

(SIC/ Arquivo)

Esta posição surge depois de acionistas titulares de cerca de 6,6% da Oi terem solicitado ao Conselho de Administração da operadora "a convocação de assembleia extraordinária de acionistas para deliberar, entre outras matérias, sobre a substituição de membros" daquele órgão.

"A Pharol tem atuado, como acionista, na defesa dos interesses da Oi, e entende que o Conselho de Administração da companhia tem vindo a adotar as medidas necessárias, tanto para proteção dos seus ativos, como para a superação da crise económico-financeira que a Oi enfrenta", refere a empresa liderada por Luís Palha da Silva, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa portuguesa "está convicta de que todos e cada um dos membros do Conselho de Administração da Oi estão a cumprir e continuarão a observar os seus deveres fiduciários e atuar no melhor interesse da companhia, atuando os mecanismos de governança previstos no estatuto social da Oi e os direitos de voto dos acionistas, nos termos da lei, de modo a cumprir a estratégia e o plano traçado, com o objetivo único de viabilizar a sua recuperação financeira".

A Pharol refere que o pedido de recuperação judicial da Oi recentemente apresentado "insere-se nessa estratégia, ao procurar um processo organizado de renegociação dos seus passivos e de proteção legal de todos os 'stakeholders' [partes envolvidas]" da operadora.

A empresa liderada por Palha da Silva adianta que "espera que os membros do Conselho de Administração da Oi continuem atentos ao eventual aparecimento de investidores - seja do lado do 'equity', seja do lado dos credores - centrados no retorno oportunístico do seu capital e que, muitas vezes, atuam de forma a obter uma posição negocial vantajosa, em detrimento dos interesses das sociedades que atravessam dificuldades financeiras".

Alerta que "medidas que gerem instabilidade, em desacordo com o estatuto social e interesses da Oi, poderão causar os maiores prejuízos materiais e à imagem da Oi", pelo que "devem ser evitadas por todos os acionistas".

"A Pharol permanece alinhada com o cumprimento do compromisso assumido e amplamente divulgado de promover a recuperação da situação financeira da Oi e manterá os seus acionistas informados acerca de qualquer desenvolvimento sobre o tema", conclui.

O acionista Societé Mondiale Fundo de Investimento em Ações, representado pela gestora Bridge Administradora de Recursos, que detém 6,64% do capital da operadora, requereu ao Conselho de Administração a convocação de uma assembleia-geral extraordinária no prazo de até oito dias.

A deliberação sobre a destituição dos membros portugueses do Conselho de Administração da operadora, em votações individuais, é um dos pontos da ordem de trabalhos.

Entre titulares e suplentes, o acionista propõe então que sejam destituídos Rafael Mora, Nuno Vasconcellos, João Vicente Ribeiro, João Castro, Pedro Guterres, Luís Palha da Silva, Maria do Rosário Pinto Correia, André Navarro e Pedro Morais Leitão, todos da Pharol, que detém 27,5% da Oi.

A Oi tinha convocado para 22 de julho uma assembleia-geral extraordinária para ratificar o pedido de recuperação judicial entregue para tentar manter a continuidade do negócio.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.