sicnot

Perfil

Economia

Pharol convicta de que administração da Oi está a atuar no melhor interesse da operadora

A Pharol, acionista de referência da Oi, afirmou hoje que está convicta de que o Conselho de Administração da operadora de telecomunicações brasileira está a cumprir e a atuar no melhor interesse da empresa.

(SIC/ Arquivo)

Esta posição surge depois de acionistas titulares de cerca de 6,6% da Oi terem solicitado ao Conselho de Administração da operadora "a convocação de assembleia extraordinária de acionistas para deliberar, entre outras matérias, sobre a substituição de membros" daquele órgão.

"A Pharol tem atuado, como acionista, na defesa dos interesses da Oi, e entende que o Conselho de Administração da companhia tem vindo a adotar as medidas necessárias, tanto para proteção dos seus ativos, como para a superação da crise económico-financeira que a Oi enfrenta", refere a empresa liderada por Luís Palha da Silva, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa portuguesa "está convicta de que todos e cada um dos membros do Conselho de Administração da Oi estão a cumprir e continuarão a observar os seus deveres fiduciários e atuar no melhor interesse da companhia, atuando os mecanismos de governança previstos no estatuto social da Oi e os direitos de voto dos acionistas, nos termos da lei, de modo a cumprir a estratégia e o plano traçado, com o objetivo único de viabilizar a sua recuperação financeira".

A Pharol refere que o pedido de recuperação judicial da Oi recentemente apresentado "insere-se nessa estratégia, ao procurar um processo organizado de renegociação dos seus passivos e de proteção legal de todos os 'stakeholders' [partes envolvidas]" da operadora.

A empresa liderada por Palha da Silva adianta que "espera que os membros do Conselho de Administração da Oi continuem atentos ao eventual aparecimento de investidores - seja do lado do 'equity', seja do lado dos credores - centrados no retorno oportunístico do seu capital e que, muitas vezes, atuam de forma a obter uma posição negocial vantajosa, em detrimento dos interesses das sociedades que atravessam dificuldades financeiras".

Alerta que "medidas que gerem instabilidade, em desacordo com o estatuto social e interesses da Oi, poderão causar os maiores prejuízos materiais e à imagem da Oi", pelo que "devem ser evitadas por todos os acionistas".

"A Pharol permanece alinhada com o cumprimento do compromisso assumido e amplamente divulgado de promover a recuperação da situação financeira da Oi e manterá os seus acionistas informados acerca de qualquer desenvolvimento sobre o tema", conclui.

O acionista Societé Mondiale Fundo de Investimento em Ações, representado pela gestora Bridge Administradora de Recursos, que detém 6,64% do capital da operadora, requereu ao Conselho de Administração a convocação de uma assembleia-geral extraordinária no prazo de até oito dias.

A deliberação sobre a destituição dos membros portugueses do Conselho de Administração da operadora, em votações individuais, é um dos pontos da ordem de trabalhos.

Entre titulares e suplentes, o acionista propõe então que sejam destituídos Rafael Mora, Nuno Vasconcellos, João Vicente Ribeiro, João Castro, Pedro Guterres, Luís Palha da Silva, Maria do Rosário Pinto Correia, André Navarro e Pedro Morais Leitão, todos da Pharol, que detém 27,5% da Oi.

A Oi tinha convocado para 22 de julho uma assembleia-geral extraordinária para ratificar o pedido de recuperação judicial entregue para tentar manter a continuidade do negócio.

Lusa

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03

    Mundo

    António Costa defendeu uma diplomacia pela paz. O primeiro-ministro português saiu em defesa da língua portuguesa e da presença do Brasil e da Índia no Conselho de Segurança das Nações Unidas. No discurso na Assembleia Geral da ONU, Costa salientou também o compromisso do país em relação ao multilateralismo e às questões ambientais.

  • Em Fátima só há escolas públicas no pré-escolar e 1.º ciclo
    2:48
  • "Só tive tempo de avisar o meu sogro e o meu marido e disse: corram!"
    2:17
  • Furacão Maria volta a ganhar força

    Mundo

    Apesar de ter perdido intensidade, após a passagem por Porto Rico, onde deixou um rasto de destruição, Maria voltou a ganhar força, é agora um furacão de categoria 3. Está a afetar a zona norte de Punta Cana, na República Dominicana com ventos que atingem os 90 km/há e move-se para o noroeste.

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.