sicnot

Perfil

Economia

Pharol convicta de que administração da Oi está a atuar no melhor interesse da operadora

A Pharol, acionista de referência da Oi, afirmou hoje que está convicta de que o Conselho de Administração da operadora de telecomunicações brasileira está a cumprir e a atuar no melhor interesse da empresa.

(SIC/ Arquivo)

Esta posição surge depois de acionistas titulares de cerca de 6,6% da Oi terem solicitado ao Conselho de Administração da operadora "a convocação de assembleia extraordinária de acionistas para deliberar, entre outras matérias, sobre a substituição de membros" daquele órgão.

"A Pharol tem atuado, como acionista, na defesa dos interesses da Oi, e entende que o Conselho de Administração da companhia tem vindo a adotar as medidas necessárias, tanto para proteção dos seus ativos, como para a superação da crise económico-financeira que a Oi enfrenta", refere a empresa liderada por Luís Palha da Silva, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa portuguesa "está convicta de que todos e cada um dos membros do Conselho de Administração da Oi estão a cumprir e continuarão a observar os seus deveres fiduciários e atuar no melhor interesse da companhia, atuando os mecanismos de governança previstos no estatuto social da Oi e os direitos de voto dos acionistas, nos termos da lei, de modo a cumprir a estratégia e o plano traçado, com o objetivo único de viabilizar a sua recuperação financeira".

A Pharol refere que o pedido de recuperação judicial da Oi recentemente apresentado "insere-se nessa estratégia, ao procurar um processo organizado de renegociação dos seus passivos e de proteção legal de todos os 'stakeholders' [partes envolvidas]" da operadora.

A empresa liderada por Palha da Silva adianta que "espera que os membros do Conselho de Administração da Oi continuem atentos ao eventual aparecimento de investidores - seja do lado do 'equity', seja do lado dos credores - centrados no retorno oportunístico do seu capital e que, muitas vezes, atuam de forma a obter uma posição negocial vantajosa, em detrimento dos interesses das sociedades que atravessam dificuldades financeiras".

Alerta que "medidas que gerem instabilidade, em desacordo com o estatuto social e interesses da Oi, poderão causar os maiores prejuízos materiais e à imagem da Oi", pelo que "devem ser evitadas por todos os acionistas".

"A Pharol permanece alinhada com o cumprimento do compromisso assumido e amplamente divulgado de promover a recuperação da situação financeira da Oi e manterá os seus acionistas informados acerca de qualquer desenvolvimento sobre o tema", conclui.

O acionista Societé Mondiale Fundo de Investimento em Ações, representado pela gestora Bridge Administradora de Recursos, que detém 6,64% do capital da operadora, requereu ao Conselho de Administração a convocação de uma assembleia-geral extraordinária no prazo de até oito dias.

A deliberação sobre a destituição dos membros portugueses do Conselho de Administração da operadora, em votações individuais, é um dos pontos da ordem de trabalhos.

Entre titulares e suplentes, o acionista propõe então que sejam destituídos Rafael Mora, Nuno Vasconcellos, João Vicente Ribeiro, João Castro, Pedro Guterres, Luís Palha da Silva, Maria do Rosário Pinto Correia, André Navarro e Pedro Morais Leitão, todos da Pharol, que detém 27,5% da Oi.

A Oi tinha convocado para 22 de julho uma assembleia-geral extraordinária para ratificar o pedido de recuperação judicial entregue para tentar manter a continuidade do negócio.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15