sicnot

Perfil

Economia

CMVM admite participações criminais devido a abuso de mercado

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) quer terminar este ano as investigações relativas ao crime de abuso de mercado relacionadas com o BES e o Espírito Santo Financial Group (ESFG), que podem resultar em participações criminais.

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

Em Portugal, estão a correr um total de 337 processos judiciais, dos quais 95 já existiam antes de 3 de agosto de 2014, dia da resolução do BES, e 242 iniciados já depois desta data. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"No final de 2015 encontravam-se ainda em curso diligências, designadamente internacionais, tendo em vista concluir em 2016 as investigações em curso, as quais poderão terminar com participações criminais", lê-se no relatório anunal da CMVM relativo a 2015, hoje divulgado.

O supervisor do mercado português abriu processos de averiguações preliminares tendentes a apurar a eventual existência de situações de abuso de mercado, na sequência da medida de resolução do BES, decidida pelo Banco de Portugal em 03 de agosto de 2014, e da divulgação dos resultados semestrais do BES, em 30 de julho de 2014.

Segundo a CMVM, estes dois momentos forneceram "informações com evidente impacto no valor das ações do BES" e os processos abertos, "pela sua abrangência, prioridade e número de investidores envolvidos, concentraram parte significativa da atividade de investigação da CMVM, com especial incidência entre o início do segundo semestre de 2014 (logo após os factos terem ocorrido) e o final do primeiro semestre de 2015".

Durante as averiguações, a CMVM pediu ao BES e aos seus auditores informações sobre o processo de apuramento dos resultados semestrais a entidades sujeitas à sua supervisão.

"Além disso, porque não detinha nenhuma informação sobre a preparação da medida de resolução, a CMVM teve que solicitar a cooperação de outras autoridades, nacionais e internacionais, sobre os atos preparatórios da medida de resolução e as pessoas, incluindo consultores externos, neles envolvidos (por exemplo, aprovação não pública das necessárias alterações legislativas ou notificação à Comissão Europeia para efeitos de concessão de auxílios de Estado)", sublinhou.

Para tal, contou com a cooperação prestada pelo Banco de Portugal, pelo Ministério das Finanças e pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG-Com).

"As averiguações foram precedidas da identificação exaustiva da negociação (independentemente da plataforma de negociação utilizada) sobre ações do BES, instrumentos financeiros relacionados e dívida, abrangendo com especial profundidade a última semana de negociação", revelou a entidade liderada por Carlos Tavares.

De acordo com a CMVM, "esta análise prévia da negociação teve por objetivo verificar as vendas de ações BES que carecessem de ser esclarecidas em sede de averiguações preliminares e permitiu selecionar os investidores a investigar".

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28