sicnot

Perfil

Economia

França diz que Portugal "não merece" ser penalizado pela UE

O ministro das Finanças francês, Michel Sapin, disse hoje que Portugal não merece sanções da União Europeia devido às derrapagens orçamentais.

© Philippe Wojazer / Reuters

"Portugal fez esforços monstruosos nestes últimos anos. Não merece disciplina excessiva", afirmou Sapin durante uma conferência de imprensa em Paris, antes de partir para reuniões do Ecofin em Bruxelas.

Segundo o ministro das Finanças, a derrapagem orçamental de Portugal deve-se principalmente ao facto do "Estado ter tido a obrigação de salvar um banco", referindo-se ao Banif, que foi intervencionado em dezembro.

Portugal registou um défice público de 4,4% do produto Interno Bruto (PIB) no ano passado e o objetivo era ficar abaixo de 3%. Em 2016 Portugal deverá de novo respeitar o limite do défice público abaixo de 3%.

A Comissão Europeia abriu a via na quinta-feira um procedimento de sanções inéditas por derrapagem orçamental contra Portugal e Espanha.

Contudo, o executivo europeu deixou para os ministros das Finanças da UE a tomada de decisão de uma sanção, na terça-feira.

Em relação a Espanha, Sapin reconheceu que a situação era difícil, tendo em conta o contexto político do país, que não tem uma maioria clara desde as duas últimas eleições. "A dificuldade é saber com quem devemos debater e quem assume os compromissos", sublinhou o ministro francês.

Em 2015, o défice público espanhol atingiu 5,0% do PIB, bem acima do limite fixado pelo pacto de estabilidade (3% do PIB) e do objetivo de 4,2% que lhe foi fixado pela Comissão Europeia.

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.