sicnot

Perfil

Economia

Madrid propõe subir um imposto para evitar penalização da UE

O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, anunciou hoje que Madrid vai propor um aumento do imposto sobre empresas para reduzir o défice orçamental a partir de 2017 e evitar sanções da União Europeia (UE).

Parlamento espanhol em Madrid

Parlamento espanhol em Madrid

© Andrea Comas / Reuters

"Vamos propor uma medida para o imposto sobre empresas, uma medida forte" para conseguir uma receita adicional de 6 mil milhões de euros, declarou, numa conferência de imprensa em Bruxelas, ao apresentar os seus argumentos para evitar uma multa da Comissão Europeia.

Luis de Guindos indicou que esta medida - que não pode ser aprovada pelo atual Governo em funções - será acompanhada de uma poupança de 1.500 milhões de euros no pagamento de juros e de uma melhoria na luta contra a fraude fiscal, que poderá render mil milhões de euros adicionais.

As declarações do ministro espanhol foram feitas após o Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) ter decidido hoje que Portugal e Espanha irão ser alvo de sanções por não terem adotado "medidas eficazes" para corrigirem os défices excessivos.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.