sicnot

Perfil

Economia

"Mais injustas que as sanções são as palavras da Drª Maria Luís Albuquerque"

"Mais injustas que as sanções são as palavras da Drª Maria Luís Albuquerque"

O primeiro-ministro considerou hoje que as críticas que a vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque faz ao seu Governo são mesmo mais injustas do que qualquer sanção que venha a ser aplicada a Portugal pela Comissão Europeia.

António Costa fez estas críticas em conferência de imprensa, após ter sido confrontado pelos jornalistas com declarações proferidas pouco antes no parlamento pela vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque, que acusou o Governo de não ter defendido o "legado que recebeu" do esforço dos portugueses, em matéria de consolidação orçamental, por "razões políticas internas" que podem vir a motivar sanções europeias.

"Mais injustas do que qualquer sanção são as palavras da dra. Maria Luís Albuquerque", reagiu o primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, António Costa considerou que "hoje em dia é difícil comentar as coisas que a dra. Maria Luís Albuquerque vai dizendo, tal a falta de bom senso que vem revelando".

O primeiro-ministro fez uma alusão depois às declarações de Maria Luís Albuquerque na semana passada, em que sustentou que Portugal não seria alvo de sanções se ainda fosse a ministra das Finanças.

"Começou por ter aquele ato gravíssimo pelo qual procurou quebrar a unidade nacional que tinha sido construída, quer na Assembleia da República, quer com o Presidente da República e o Governo, em defesa do interesse nacional contra a aplicação de sanções a Portugal, apontou António Costa.

Depois, o primeiro-ministro defendeu a sua atuação neste processo relacionado com a eventual aplicação de sanções a Portugal: "As senhoras e os senhores jornalistas que me têm ouvido falar ao longo do último mês sobre o assunto creio que [sabem que] não me têm faltado palavras para defender a ação que foi desenvolvida pelo Governo português neste período", disse.

Com Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52