sicnot

Perfil

Economia

"Mais injustas que as sanções são as palavras da Drª Maria Luís Albuquerque"

"Mais injustas que as sanções são as palavras da Drª Maria Luís Albuquerque"

O primeiro-ministro considerou hoje que as críticas que a vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque faz ao seu Governo são mesmo mais injustas do que qualquer sanção que venha a ser aplicada a Portugal pela Comissão Europeia.

António Costa fez estas críticas em conferência de imprensa, após ter sido confrontado pelos jornalistas com declarações proferidas pouco antes no parlamento pela vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque, que acusou o Governo de não ter defendido o "legado que recebeu" do esforço dos portugueses, em matéria de consolidação orçamental, por "razões políticas internas" que podem vir a motivar sanções europeias.

"Mais injustas do que qualquer sanção são as palavras da dra. Maria Luís Albuquerque", reagiu o primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, António Costa considerou que "hoje em dia é difícil comentar as coisas que a dra. Maria Luís Albuquerque vai dizendo, tal a falta de bom senso que vem revelando".

O primeiro-ministro fez uma alusão depois às declarações de Maria Luís Albuquerque na semana passada, em que sustentou que Portugal não seria alvo de sanções se ainda fosse a ministra das Finanças.

"Começou por ter aquele ato gravíssimo pelo qual procurou quebrar a unidade nacional que tinha sido construída, quer na Assembleia da República, quer com o Presidente da República e o Governo, em defesa do interesse nacional contra a aplicação de sanções a Portugal, apontou António Costa.

Depois, o primeiro-ministro defendeu a sua atuação neste processo relacionado com a eventual aplicação de sanções a Portugal: "As senhoras e os senhores jornalistas que me têm ouvido falar ao longo do último mês sobre o assunto creio que [sabem que] não me têm faltado palavras para defender a ação que foi desenvolvida pelo Governo português neste período", disse.

Com Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.