sicnot

Perfil

Economia

PS lembra que sanções são relativas ao período de 2013 a 2015

PS lembra que sanções são relativas ao período de 2013 a 2015

O PS diz que falta pudor à ex-ministra das Finanças, por não reconhecer o falhanço das políticas que adotou. O deputado João Galamba lembra que as sanções de Bruxelas são relativas aos anos entre 2013 e 2015, anos anos do atual Governo entrar em funções.

"Este processo existe porque Maria Luís Albuquerque foi ministra, não porque Maria Luís Albuquerque já não é ministra", disse João Galamba, depois de o PSD, pela voz da ex-ministra das Finanças, ter acusado o Governo de não ter defendido o "legado" orçamental por "razões políticas internas".

O parlamentar socialista disse que "se esperaria de Maria Luís Albuquerque um pouco de pudor" e que deveria começar por "reconhecer que o que está em causa é o seu desempenho e apenas o seu desempenho".

"Este Governo o que está a tentar fazer é argumentar que esse falhanço e esse incumprimento, que efetivamente ocorreu, não é justificação para impor qualquer tipo de sanções", acrescentou.

"Se Maria Luís Albuquerque considera que um Governo português alguma vez atentaria contra o interesse nacional por meras razoes de política mesquinha, penso que Maria Luís Albuquerque está a falar sobre ela própria e não sobre o atual Governo", acusou ainda.

Segundo João Galamba, "o que o Governo atual está a fazer, como é público, é argumentar que as sanções não fazem sentido, são contraproducentes, absurdas e apesar de dizerem respeito ao passado, impendem sobre o presente e dificultam a ação do atual Governo".

"Esperaria que num momento de enorme instabilidade, onde importa não perder os cidadãos europeus e o apoio que estes dão ao projeto europeu, que os responsáveis tivessem algum bom senso e parassem esta loucura", pediu ainda.

O deputado do PS defende que esta questão das responsabilidades "tem que ficar arrumada de uma vez por todas" uma vez que "o documento é claro e o que diz é que o Governo português anterior não cumpriu as recomendações do Conselho de 2013 e que apresentou um ajustamento orçamental insuficiente nos anos de 2014 e de 2015".

Para João Galamba trata-se de uma "pressão inaceitável sobre Portugal e Espanha que devia parar".

"Considero inacreditável que alguém que seja a principal visada por este processo tente sistematicamente ou atacar o país ou atacar o atual Governo. Revela uma enorme falta de pudor", disse, voltando a visar Maria Luís Albuquerque.

"As decisões do Conselho desencadearão sanções, ao abrigo do PDE", indicou em comunicado o Ecofin, ainda reunido em Bruxelas, lembrando que agora a Comissão tem 20 dias para propor o montante das multas, que podem ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB).

Com Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.