sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas já recebeu argumentos de Espanha e aguarda por Portugal

A Comissão Europeia confirmou hoje que já recebeu de Espanha a argumentação com vista à redução da sanção devido ao défice excessivo, apontando que aguarda ainda pelo "pedido fundamentado" de Portugal, para se pronunciar até final do mês.

© Francois Lenoir / Reuters

Durante a conferência de imprensa diária do executivo comunitário, o porta-voz Alexander Winterstein, questionado sobre o assunto, disse estar em condições de confirmar que já chegou a Bruxelas o "pedido fundamentado" das autoridades espanholas, que a Comissão irá agora "analisar em detalhe", para "fazer uma proposta (de multa) antes do final do mês", tendo já em conta os argumentos de Madrid.

Questionado sobre se Bruxelas vai aguardar pelos argumentos do Governo português para formular uma proposta de sanções conjunta, o porta-voz limitou-se a apontar que "cabe naturalmente ao Governo português decidir" quando é que submeterá o seu pedido, sendo que tem um prazo de 10 dias para o fazer desde a tomada de posição do Conselho Ecofin na passada terça-feira (ou seja, até final da próxima semana), e quando a Comissão o receber então analisá-lo-á.

"O calendário é muito claro, e faremos as nossas propostas (de multas) dentro dos prazos previstos com base nas informações que temos. Neste momento, temos um pedido de Espanha", concluiu.

Depois de, na passada terça-feira, os ministros das Finanças da UE (Conselho Ecofin) terem confirmado o desencadeamento de processos de sanções a Portugal e Espanha devido à "ausência de medidas eficazes" para a correção dos respetivos défices excessivos nos prazos estipulados, a Comissão tem 20 dias para propor o valor da multa a aplicar.

A multa pode ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), mas, de acordo com as regras europeias, pode também ser reduzida a zero, o que é agora o objetivo dos Governos português e espanhol, como já admitiram em Bruxelas os respetivos ministros das Finanças.

No final do Conselho Ecofin, o ministro Mário Centeno disse que o objetivo do Governo é defender o interesse nacional, "e o interesse nacional neste momento é que o país não seja prejudicado financeiramente" pelas sanções de que será alvo, e apontou que Lisboa remeterá os seus argumentos a Bruxelas muito em breve.

Por outro lado, questionado hoje sobre uma alegada vontade da Comissão Europeia de ter antecipadamente acesso ao esboço de Orçamento do Estado português para 2017, para dar um "visto prévio", o porta-voz da Comissão limitou-se a lembrar que o calendário definido no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas "é muito claro", e todos os Estados-membros devem apresentar os seus planos orçamentais até meados de outubro.

Lusa

  • Comissão Europeia quer plano B para sanção ser zero
    2:23

    Economia

    A Comissão Europeia quer que seja apresentado um plano B como moeda de troca para as sanções zero. Espanha já anunciou novas medidas que incluem uma subida nos impostos para as empresas. Contudo, por cá, o Governo volta a recusar medidas adicionais e continua a acreditar que será possível escapar aos castigos.

  • Eventuais sanções não devem prejudicar fundos, diz ministro da Economia
    0:49

    Economia

    O ministro da Economia garante que o sistema de fundos comunitários está a funcionar e que os fundos estão a chegar às empresas. Manuel Caldeira Cabral esteve hoje na Edição da Manhã da SIC Notícias, onde disse que não acredita que nenhuma decisão da Comissão Europeia relacionada com possíveis sanções terá impacto nos fundos comunitários.

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.