sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas já recebeu argumentos de Espanha e aguarda por Portugal

A Comissão Europeia confirmou hoje que já recebeu de Espanha a argumentação com vista à redução da sanção devido ao défice excessivo, apontando que aguarda ainda pelo "pedido fundamentado" de Portugal, para se pronunciar até final do mês.

© Francois Lenoir / Reuters

Durante a conferência de imprensa diária do executivo comunitário, o porta-voz Alexander Winterstein, questionado sobre o assunto, disse estar em condições de confirmar que já chegou a Bruxelas o "pedido fundamentado" das autoridades espanholas, que a Comissão irá agora "analisar em detalhe", para "fazer uma proposta (de multa) antes do final do mês", tendo já em conta os argumentos de Madrid.

Questionado sobre se Bruxelas vai aguardar pelos argumentos do Governo português para formular uma proposta de sanções conjunta, o porta-voz limitou-se a apontar que "cabe naturalmente ao Governo português decidir" quando é que submeterá o seu pedido, sendo que tem um prazo de 10 dias para o fazer desde a tomada de posição do Conselho Ecofin na passada terça-feira (ou seja, até final da próxima semana), e quando a Comissão o receber então analisá-lo-á.

"O calendário é muito claro, e faremos as nossas propostas (de multas) dentro dos prazos previstos com base nas informações que temos. Neste momento, temos um pedido de Espanha", concluiu.

Depois de, na passada terça-feira, os ministros das Finanças da UE (Conselho Ecofin) terem confirmado o desencadeamento de processos de sanções a Portugal e Espanha devido à "ausência de medidas eficazes" para a correção dos respetivos défices excessivos nos prazos estipulados, a Comissão tem 20 dias para propor o valor da multa a aplicar.

A multa pode ir até 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), mas, de acordo com as regras europeias, pode também ser reduzida a zero, o que é agora o objetivo dos Governos português e espanhol, como já admitiram em Bruxelas os respetivos ministros das Finanças.

No final do Conselho Ecofin, o ministro Mário Centeno disse que o objetivo do Governo é defender o interesse nacional, "e o interesse nacional neste momento é que o país não seja prejudicado financeiramente" pelas sanções de que será alvo, e apontou que Lisboa remeterá os seus argumentos a Bruxelas muito em breve.

Por outro lado, questionado hoje sobre uma alegada vontade da Comissão Europeia de ter antecipadamente acesso ao esboço de Orçamento do Estado português para 2017, para dar um "visto prévio", o porta-voz da Comissão limitou-se a lembrar que o calendário definido no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas "é muito claro", e todos os Estados-membros devem apresentar os seus planos orçamentais até meados de outubro.

Lusa

  • Comissão Europeia quer plano B para sanção ser zero
    2:23

    Economia

    A Comissão Europeia quer que seja apresentado um plano B como moeda de troca para as sanções zero. Espanha já anunciou novas medidas que incluem uma subida nos impostos para as empresas. Contudo, por cá, o Governo volta a recusar medidas adicionais e continua a acreditar que será possível escapar aos castigos.

  • Eventuais sanções não devem prejudicar fundos, diz ministro da Economia
    0:49

    Economia

    O ministro da Economia garante que o sistema de fundos comunitários está a funcionar e que os fundos estão a chegar às empresas. Manuel Caldeira Cabral esteve hoje na Edição da Manhã da SIC Notícias, onde disse que não acredita que nenhuma decisão da Comissão Europeia relacionada com possíveis sanções terá impacto nos fundos comunitários.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.