sicnot

Perfil

Economia

Conselho de Finanças Públicas identifica setor financeiro, IVA e despesas com pessoal como riscos

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) alertou hoje para os "riscos descendentes" que se colocam à execução orçamental do resto do ano, como o setor financeiro, as despesas com pessoal e a receita do IVA.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

No relatório sobre a evolução orçamental até ao final do primeiro trimestre de 2016 publicado hoje, o CFP refere que o setor financeiro comporta "riscos descendentes para as finanças públicas", recordando que a rubrica 'outras receitas de capital' diminuiu 51 milhões de euros até março e que, para a totalidade do ano, se prevê uma contração de 216 milhões nesta parcela.

No entanto, o CFP afirma que esta redução homóloga se deve sobretudo ao efeito de base decorrente da injeção de capital da empresa Parparticipadas no Banco Efisa que decorreu no primeiro trimestre de 2105 (52,5 milhões).

Para o CFP, "um dos fatores de risco para a execução orçamental está na execução desta rubrica, atendendo ao eventual impacto negativo da recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e aos efeitos orçamentais que a compensação a subscritores de dívida emitida por entidades do Grupo Espírito Santo (comercializada aos balcões do BES) possa vir a ter, por via da assunção de responsabilidades por parte de entidades classificadas nas administrações públicas".

Quanto às despesas com pessoal, a instituição liderada por Teodora Cardoso destaca que estas "apresentam um ritmo de crescimento superior ao previsto no Orçamento do Estado para 2016, num momento em que a redução remuneratória ainda não foi revertida na totalidade".

O Governo está a reverter os cortes salariais em vigor na função pública gradualmente a cada trimestre até que estes estejam totalmente extintos a partir dos últimos três meses de 2016, o que, juntamente com a atualização salarial dos efetivos sa saúde no âmbito dos acordos coletivos de trabalho realizados no final de 2015, explica o aumento homólogo de 1,2% nas despesas com pessoal.

O CFP refere que a variação homóloga das despesas com pessoal está um ponto percentual acima do previsto no OE2016 e considera que isto é "um fator de risco atendendo a que este efeito preço tenderá a acentuar-se ao longo do ano, em função da progressiva reversão da redução remuneratória".

Mas o CFP identifica ainda outras fontes de pressão nas despesas com pessoal: "Outros fatores de risco prendem-se com o eventual impacto da reposição das 35 horas como período normal de trabalho dos trabalhadores em funções públicas e com o grau de concretização da nova política de recrutamento (contratação de um trabalhador por cada duas saídas na administração pública)."

Do lado da receita são também identificados riscos, nomeadamente no IVA cuja taxa foi reduzida para o setor da restauração, passando para os 13% a partir de julho, com o CFP a evidenciar que "o impacto orçamental da redução da taxa do IVA na restauração no segundo semestre constitui fator de risco para a receita deste imposto".

Com Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.