sicnot

Perfil

Economia

Hollande considera "moralmente inaceitável" Durão Barroso no Goldman Sachs

O Presidente francês, François Hollande, condenou hoje como "moralmente inaceitável" o emprego do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso no banco Goldman Sachs.

© Christian Hartmann / Reuters (Arquivo)

O banco norte-americano Goldman Sachs anunciou na semana passada a contratação de Durão Barroso como presidente não-executivo da instituição e de consultor, num momento em que o setor financeiro foi abalado pelas dúvidas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

François Hollande, que visita Portugal no dia 19 deste mês, falava numa entrevista televisiva transmitida no âmbito das comemorações do dia nacional de França.

"Juridicamente é possível, mas moralmente é inaceitável", considerou François Hollande, recordando que Durão Barroso "foi presidente durante dez anos" em que se deu a crise do mercado imobiliário 'subprime', na qual o Goldman Sachs foi "uma das entidades principais".

O chefe de Estado francês apontou ainda que o banco norte-americano "aconselhava os gregos sobre como esconder os números" das suas finanças para poder aderir à zona Euro da moeda única da União Europeia, com as consequências que isso veio a ter.

Antes de Hollande, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Marc Ayrault, defendeu que Barroso tem que renunciar ao emprego ou irá reforçar "o populismo" e o ceticismo em relação à Europa.

"Deve, é uma questão de ética, de moral", declarou numa entrevista à emissora Europe 1, acrescentando que a contratação é "totalmente chocante e melhor seria que Barroso fizesse outra coisa".

Na quarta-feira, um outro governante francês tinha pedido solenemente a José Manuel Durão Barroso para não aceitar o emprego no banco, afirmando no parlamento que o político e ex-primeiro-ministro português "fez a cama dos antieuropeus".

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus francês, Harlem Désir, considerou que sua contratação é "particularmente escandalosa tendo em conta o papel desempenhado pelo banco durante a crise financeira de 2008, mas também o papel na camuflagem das contas públicas da Grécia".

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas celebrações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.