sicnot

Perfil

Economia

Preço do dólar nas ruas de Luanda fixo nos 570 kwanzas há três semanas

​O preço de um dólar norte-americano nas ruas de Luanda fixou-se há três semanas nos 570 kwanzas (cerca de três euros), três vezes e meio acima da taxa oficial de câmbio definida pelo Banco Nacional de Angola.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

Numa ronda feita hoje pelas ruas da capital angolana, a agência Lusa reconfirmou relatos de um alegado abrandamento da vigilância policial sobre quem faz a negociação de dólares, uma prática ilegal, mas a única alternativa face à falta de divisas nos bancos.

Apesar de ainda percetíveis alguns receios por parte de quem negoceia, tendo em conta as detenções conhecidas em junho, a Lusa facilmente encontrou quem vendesse dólares um pouco por toda a cidade e com relatos de que, apesar das dificuldades, "os dólares estão a aparecer".

É o caso do bairro do São Paulo, onde comprar uma nota de dólar custava hoje 580 kwanzas. Na Mutamba, no bairro do Prenda ou no dos Mártires de Kifangondo, outros pontos centrais de Luanda para a venda de dólares na rua, as kinguilas - como são conhecidas as mulheres que se dedicam a este negócio - pediam 570 kwanzas para vender a nota de um dólar.

Na prática, desde a última semana de junho que os preços do mercado de rua seguem praticamente inalterados, tendo em conta os levantamentos semanais realizados pela Lusa.

Algumas dessas kinguilas confirmaram à Lusa a tendência de queda dos preços, face aos mais de 600 kwanzas que chegaram a ser pedidos na primeira quinzena de junho.

Ainda assim, são preços especulativos de quem vende, que, em muitos casos, como trabalhadores expatriados, é a única forma de ter acesso a divisas no atual contexto de crise económica, financeira e cambial, decorrente da quebra nas receitas petrolíferas.

Só desde setembro de 2014, a moeda nacional angolana desvalorizou-se em mais de 40% face ao dólar norte-americano, para 166 kwanzas para um dólar, à taxa oficial, muito longe dos valores do mercado paralelo.

O Banco Nacional de Angola (BNA) recomendou em maio um "maior controlo e responsabilização dos agentes promotores do mercado informal de moeda estrangeira" por parte da polícia.

Segundo informação do Ministério das Finanças, as reservas internacionais angolanas - moeda estrangeira que permite nomeadamente a aquisição ao exterior de matéria-prima para as indústrias e produtos alimentares - caíram cerca de seis mil milhões de euros desde 2014, descendo em junho para 24 mil milhões de dólares (21,6 mil milhões de euros).

Ainda assim, segundo o Governo angolano, suficiente para cobrir 8 meses das atuais necessidades de importação do país.

A preocupação com as consequências da situação cambial atual foi enfatizada a 14 de junho por Ricardo Velloso, chefe da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) que esteve em Luanda para negociações de um programa de assistência solicitada pelo Governo angolano.

"Não olhamos a taxa de câmbio no mercado paralelo como uma indicação do que deve ser a taxa de câmbio oficial, ainda há muita especulação e pressão pontual nesse mercado, que é muito limitado. Mas há espaço, do ponto de vista da taxa oficial, para mais ação por parte do BNA, para diminuir a pressão que existe", apontou o economista brasileiro.

Admitiu igualmente que as "restrições administrativas existentes para aceder a divisas à taxa oficial", tendo em conta que os bancos não disponibilizam e os leilões do BNA são reduzidos face à procura, "constituem um constrangimento à atividade e diversificação económicas" e "precisarão de ser levantadas gradualmente".

"A nossa recomendação também é que o BNA use um pouco mais das suas reservas internacionais para diminuir a pressão que existe a curto prazo", disse.

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.