sicnot

Perfil

Economia

Governo admite prolongar pesca da sardinha até fim de outubro e aumentar capturas

O Governo admitiu hoje o prolongamento da pesca da sardinha "até final de outubro" e que "as capturas podem aumentar" em relação ao previsto no início do ano, antecipando ainda que, em 2017, "haverá novo aumento das capturas".

© Nacho Doce / Reuters

Em comunicado hoje emitido, após uma reunião com a Comissão Alargada da Sardinha - que inclui operadores do setor, associações ambientalistas e cientistas -, o Ministério do Mar escreve que "considera possível prolongar a pescaria até final de outubro, com uma recuperação de stock estimada em 4%".

De acordo com a tutela, esta recuperação estimada do stock de sardinha está "dentro dos princípios de aproximação precaucionária" e tem em conta "as necessidades sociais e económicas previstas no regulamento comunitário".

Além disso, o ministério de Ana Paula Vitorino entende que "as capturas podem aumentar relativamente ao previsto no início do ano" e que, "em 2017, poderá haver novo aumento das capturas, mantendo o objetivo de crescimento consistente da biomassa acima dos 4%".

O ministério acrescenta que estas posições foram apresentadas ao secretário-geral de pescas de Espanha e serão apresentadas à Comissão Europeia na próxima semana, esperando o Governo que haja "abertura para o seu acolhimento".

O Ministério do Mar refere que o parecer do Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES), que Portugal e Espanha tinham pedido e que foi apresentado na quinta-feira, "vem confirmar a fundamentação da posição portuguesa".

Assim, de acordo com a tutela, verifica-se que "a biomassa total de sardinha em dezembro de 2016 estimada anteriormente em cerca de 166.000 toneladas é, na reavaliação ontem (quinta-feira) publicada, fixada em 199.264 toneladas" e que também os valores apresentados para as capturas sofreram "alterações significativas".

Para o executivo, "este resultado, reconhecido no relatório do ICES, mostra o grande esforço que o setor tem desenvolvido no sentido da gestão sustentável desta pescaria".

Portugal pediu a Bruxelas um aumento da atual quota ibérica de captura da sardinha das 14 mil para as 19 mil toneladas, mas a intenção tinha de esperar pelo aval do ICES.

Portugal e Espanha gerem diretamente a quota de sardinha, mas a decisão tem de ser aceite por Bruxelas, que, por seu turno, se baseia nas recomendações do ICES.

Lusa

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.