sicnot

Perfil

Economia

Despesa com salários congelada

Despesa com salários congelada

Na carta enviada a Bruxelas, o ministro das Finanças garante que o total da massa salarial paga aos funcionários públicos não vai aumentar em 2017. Esta pode ser uma das principais discussões entre os partidos que apoiam o Governo.

O Bloco de Esquerda já disse que ia batalhar por aumentos reais para a Função Pública no próximo ano. Mas Mário Centeno acaba de dar a resposta na carta a Bruxelas.

O ministro fez as contas e quer alinhar os gastos com a função pública com o ano de 2009, o último em que os trabalhadores do estado foram aumentados.

Na carta escrita à Comissão Europeia, Centeno garante que não haverá aumentos salariais nominais a ser implementados, o que siginifica que não há lugar a qualquer ajuste, nem pela inflação e muito menos acima.

Na carta enviada a Bruxelas, Mário Centeno acrescenta ainda que a reposição dos salários da função pública este ano não vai fazer derrapar as contas do Estado. A explicação surge para justificar que a reposição dos salários não terá custos extra para o Estado no próximo ano.

Bruxelas quer garantias e o Governo acena com duas almofadas que somam quase
600 milhões de euros, uma verba que irá ajudar o Governo a cumprir a previsão do défice.

  • Arménio Carlos quer melhores salários na função pública
    0:36

    Economia

    O secretário-geral da CGTP valoriza o que foi feito pelo Governo até ao momento com a reposição de salários, direitos e pensões, mas refere ser necessária uma melhor distribuição da riqueza. Afirma ainda que medidas de contenção não devem ser feitas nos salários da função pública porque afeta diretamente o desempenho dos trabalhadores.

  • Portugal está no caminho certo para eliminar o défice excessivo
    2:29

    Economia

    A Comissão Europeia vai discutir já na próxima quarta-feira as alegações que o Governo português fez chegar hoje a Bruxelas, para tentar impedir a aplicação de sanções. Na carta enviada à Comissão, o ministro das Finanças reafirma que Portugal está no caminho certo para eliminar o défice excessivo e garante que tem de reserva uma almofada, no Orçamento do Estado, que serve de plano B, em caso de derrapagem das contas públicas.

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31

    Grande Reportagem SIC

    Carlos Queiroz, ex-selecionador de Portugal, dá-nos uma entrevista forte e transparente. Entrevistámo-lo no Dubai, um lugar que a investigação da SIC coloca no centro do mapa do escândalo do GES/BES. Aqui antecipamos a Grande Reportagem da próxima semana.

    Exclusivo online