sicnot

Perfil

Economia

FMI apela a políticos que não se conformem com crescimento atual

O economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Maury Obstfeld apelou hoje aos políticos para que não se conformem com as atuais taxas de crescimento, considerando que estas "não devem ser aceites como o novo normal".

REUTERS

O FMI reviu hoje em baixa as projeções de crescimento para a economia global, esperando que o Produto Interno Bruto (PIB) mundial cresça 3,1% este ano e 3,4% no próximo, em resultado da saída do Reino Unido da União Europeia, uma revisão em baixa de 0,1 pontos percentuais em cada ano, de acordo com a atualização ao 'World Economic Outlook' hoje publicada.

Em conferência de imprensa, hoje em Washington, o diretor do departamento de investigação do FMI, Maury Obstfeld, afirmou que "os legisladores não devem aceitar as atuais taxas de crescimento como o 'novo normal', ditadas por fatores fora do alcance da política".

"Os riscos vão além dos custos puramente económicos de uma estagnação persistente", afirmou Obstfeld, sublinhando que "o ambiente de baixo crescimento vai piorar as tensões sociais associadas à estagnação salarial de longo prazo e às mudanças económicas estruturais".

O economista do Fundo deixou mesmo um apelo aos responsáveis políticos: "Cabe aos legisladores (e ainda mais aos líderes políticos) oferecer uma narrativa sobre estes desenvolvimentos de longo prazo para compensar os [discursos] populares que culpam os mercados orientados para as economias globais de todas as doenças do mundo", disse.

Para Obstfeld, esta narrativa "deve também oferecer uma esperança de que ações de política possam restabelecer as classes médias e um sentimento entre os votantes de que os benefícios do crescimento económico podem ser mais justamente partilhados".

Sublinhando as várias restrições existentes, Maury Obstfeld considerou que "é importante usar as principais alavancas da política de forma eficiente", referindo-se às políticas orçamentais amigas do crescimento, às reformas estruturais bem organizadas e a uma política monetária que suporte as expectativas para a inflação.

O economista-chefe da instituição liderada por Christine Lagarde afirmou ainda que os legisladores devem "considerar a incidência das suas medidas em diferentes grupos de rendimento, bem como acompanhá-las com ações que promovam a coesão social, o crescimento económico e a estabilidade".


Lusa

  • Bruno de Carvalho suspenso por mais 90 dias

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, foi suspenso por 90 dias na sequência de declarações proferidas numa entrevista televisiva em março, anunciou esta terça-feira o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

  • Benfica critica castigo de Samaris e vai recorrer

    Desporto

    O Benfica reagiu esta terça-feira ao castigo de três jogos aplicado ao grego Andreas Samaris, considerando que a decisão, da qual vai recorrer, é prova de que o futebol português está "entregue à instabilidade, à incoerência e à insegurança".

  • "Álvaro" viveu seis anos de maus tratos num casamento de oito
    5:06
  • Governo disposto a ceder a algumas reivindicações dos enfermeiros
    1:58

    Economia

    Os enfermeiros ameaçam voltar à greve se o Governo não lhes der um subsídio no valor de 400 euros. Esta terça-feira o Governo esteve reunido com dois dos quatro sindicatos. O Ministério diz estar disposto a ceder a algumas reivindicações, mas o ministro da Saúde fez saber que o aumento de 400 euros é incomportável. 

  • Como fazer fotos e vídeos menos tremidos
    8:43
  • "As autárquicas deviam estar menos contaminadas pelo Orçamento"
    7:55
  • Viajar a 110 km/h agarrado ao para-brisas de um comboio

    Mundo

    Um homem de 23 anos foi detido por viajar preso a um comboio - mais concretamente ao limpa para-brisas -, que atinge velocidades perto dos 110 quilómetros por hora, numa viagem entre as estações de Leederville e Glendalough, na Austrália.

  • Rapper quer provar que a terra é plana

    Mundo

    O rapper B.o.B. lançou uma campanha na plataforma GoFundMe para enviar satélites que possam comprovar que a Terra é redonda e azul. No ano passado, o norte-americano defendeu nas redes sociais que o planeta é plano.