sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública aumenta para os 238 mil M€ até maio

(Reuters/ Arquivo)

REUTERS

A dívida das administrações públicas aumentou em maio face ao mês anterior, para os 237.617 milhões de euros, ou seja, mais 1.622 milhões de euros, segundo o Banco de Portugal (BdP).

De acordo com o boletim estatístico hoje divulgado pelo Banco de Portugal, em maio, a dívida pública na ótica de Mastricht, a que conta para Bruxelas, aumentou pelo terceiro mês consecutivo, para os 237.617 milhões de euros.

Comparando com o mês de maio do ano passado, a dívida das administrações públicas aumentou 6.492 milhões de euros e, entre janeiro e maio deste ano, o stock da dívida aumentou 6.272 milhões de euros.

Já a dívida líquida de depósitos da administração pública diminuiu 478 milhões de euros em maio face ao mês anterior, para os 219.246 milhões de euros.

No entanto, face ao mesmo mês de 2015, registou-se um aumento de 8.940 milhões de euros e, nos primeiros cinco meses deste ano, verificou-se uma subida de 1.153 milhões de euros na dívida líquida.

Quanto ao financiamento líquido das administrações públicas, entre janeiro e maio de 2016, registou-se um aumento de 44 milhões de euros, o que compara com um acréscimo de 1,1 mil milhões de euros em igual período de 2015.

O valor do financiamento líquido das administrações públicas "resultou de um aumento do financiamento obtido junto dos bancos (+3,1 mil milhões de euros) e de outros financiadores residentes (+4,6 mil milhões de euros) e de uma redução do financiamento concedido pelo exterior (-7,6 mil milhões de euros), por via da redução de títulos (-4,8 mil milhões de euros), a que acresce o reembolso antecipado de empréstimos do FMI ocorrido em fevereiro de 2016 (-2,0 mil milhões de euros)".

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.