sicnot

Perfil

Economia

EDP cede à Tagus défice tarifário de 600 milhões de euros relativo a 2016

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A EDP Serviço Universal, comercializador de último recurso do sistema português, vai ceder à Tagus - Sociedade de Titularização de Créditos uma parcela do défice tarifário de 2016, e respetivos juros, por um montante de 600 milhões de euros.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a EDP, que detém a 100% a EDP Serviço Universal, explica que a Tagus financiará a aquisição desta parcela do défice tarifário, através da emissão de 600 milhões de euros de instrumentos de dívida sénior, com uma yield de 2,45%, cupão de 2,423%, e rating esperado de A1/BBB/BBB high, atribuído pela Moody's, Fitch e DBRS, respetivamente.

A operação está ainda sujeita à aprovação do prospecto pela CMVM, sendo intenção admitir à negociação na NYSE Euronext Lisbon.

O défice tarifário de 2016 resultou do diferimento por cinco anos da recuperação do sobrecusto de 2016 relacionado com a aquisição de energia aos produtores em regime especial, isto é, por um preço superior ao praticado no mercado, que é suportado pelos consumidores finais, na fatura da eletricidade.

O montante de défice tarifário de 2016 em dívida à EDP SU antes desta oferta de securitização era de aproximadamente 800 milhões de euros, adianta a elétrica liderada por António Mexia.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.