sicnot

Perfil

Economia

Espanha pede a Bruxelas dois anos extras para baixar défice

O diário espanhol El País noticia hoje que Espanha pediu a Bruxelas dois anos extras para baixar o défice", comprometendo-se a diminuir para 3,0% do PIB o desequilíbrio das finanças públicas em 2018 e não em 2016.

"A incerteza política e o reconhecimento de que a evolução da receita vai pior do que o esperado levarão Luís de Guindos a pedir à UE para alargar em dois anos, até finais de 2018, o prazo para reduzir o défice abaixo dos 3,0%", refere o diário espanhol.

Segundo escreve o correspondente do El País em Bruxelas, "fontes do executivo confirmaram" terça-feira que Guindos, vai viajar hoje para a China "para negociar com Moscovici, esses dois anos adicionais".

Até agora, Luís de Guindos tinha-se mostrado partidário de a Espanha cumprir a regra europeia que prevê um défice público inferior a 3,0% do PIB um ano depois do inicialmente previsto, 2017 e não 2016, apesar de a Comissão Europeia ter oferecido na primavera um ano adicional, 2018.

"Tudo está em aberto", disse terça-feira o comissário europeu de nacionalidade espanhola Miguel Arias Cañete", a uma semana da decisão final sobre o procedimento de infração contra Espanha e Portugal.

A Comissão Europeia teve na terça-feira uma primeira discussão sobre o processo de sanções a Portugal e Espanha, mas ainda sem "quaisquer decisões" sobre multas e a questão da suspensão parcial de fundos só deverá ser apreciada em setembro.

Numa conferência de imprensa para dar conta das decisões tomadas pelo colégio de comissários na sua reunião semanal hoje realizada em Bruxelas, o vice-presidente Maros Sefcovic apontou que, relativamente à "primeira discussão sobre a situação orçamental em Espanha e Portugal", não foi tomada hoje qualquer decisão, devendo a Comissão voltar a discutir as propostas de multas "na próxima semana".

Já quanto ao congelamento parcial de fundos estruturais para 2017, a que a Comissão deve legalmente proceder uma vez desencadeado, a 12 de julho passado, pelo Conselho Ecofin, o processo de sanções aos dois países devido ao défice excessivo, a questão só deverá ser abordada na 'rentrée', já que o Parlamento Europeu solicitou ao executivo comunitário um "diálogo estruturado" sobre esta matéria, anunciou o comissário.

O ministro da Economia espanhol participa no próximo fim de semana numa reunião do G20 (os países mais ricos do mundo) em Chengdu, China, onde estarão presentes outros dirigentes europeus muito influentes no processo de infração em curso contra Espanha e Portugal.


Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.