sicnot

Perfil

Economia

Mercadona já recebeu 5.000 candidaturas para 120 lugares em Portugal

© Sergio Perez / Reuters

O grupo de distribuição alimentar espanhol Mercadona já recebeu 5.000 candidaturas para o processo de contratação em Portugal de 120 quadros diretivos intermédios que irão apoiar o projeto de expansão nesse país, onde espera abrir quatro supermercados em 2019.

A empresa informou hoje que os futuros 120 responsáveis irão frequentar durante 18 meses um programa de formação, prevendo gastar 50.000 euros por trabalhador.

Durante esse processo, os novos trabalhadores irão receber uma formação específica no "Modelo de Qualidade Total" de Mercadona, competências diretivas e de liderança, e terão uma imersão nos diversos departamentos da empresa.

A empresa está à procura de licenciados nas universidades portuguesas com pós-graduação ou mestrado em Economia, Administração de Empresas, Direito, Arquitetura e Engenharia.

A Mercadona anunciou em junho que vai abrir quatro supermercados em Portugal em 2019, os quais serão as primeiras unidades fora de Espanha.

O investimento está avaliado em 25 milhões de euros e vai permitir criar cerca de 200 postos de trabalho, nesta primeira fase de expansão internacional do grupo espanhol.

A empresa presidida por Juan Roig optou por Portugal por ser "um mercado próximo de Espanha, de proximidade logística e que se enquadra no crescimento orgânico e natural da empresa".

A Mercadona é uma empresa de capital familiar que foi fundada em 1977 pelo grupo Cárnicas Roig.

Em 1981, Juan Roig assumiu a direção da empresa, que iniciou a sua atividade como empresa independente.

Atualmente, Juan Roig e a mulher, Hortensia Herrero, são os acionistas maioritários da empresa, detendo mais de 80% do seu capital.

A Mercadona faturou 20.831 milhões de euros em 2015, tem 1.587 supermercados em Espanha e emprega 76.000 trabalhadores com contrato permanente.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.