sicnot

Perfil

Economia

Três em cada quatro empresas portuguesas ainda se atrasam nos pagamentos

Arquivo

© Jason Lee / Reuters

Cerca de um quarto das empresas portuguesas pagou dentro dos prazos em 2015, o que representa uma "ligeira melhoria" face ao ano anterior, uma tendência que se manteve no primeiro semestre de 2016, segundo a Informa D&B.

De acordo com um estudo da Informa D&B sobre comportamentos de pagamento das empresas hoje publicado, "a percentagem de empresas portuguesas que pagam nos prazos (20,5%) ainda está longe da média europeia (37,5%)" e "há mais empresas a pagar com atrasos até 30 dias e menos a pagar com atrasos até 90 dias", sendo que as de menor dimensão são as mais cumpridoras.

Em 2015, registou-se uma "ligeira melhoria", de 2,7 pontos percentuais, na proporção de empresas que pagaram dentro dos prazos, uma tendência que também se verificou na primeira metade deste ano, com uma melhoria de mais 0,4 pontos percentuais neste indicador.

Segundo o estudo 'Comportamentos de Pagamento 2016', da Informa D&B a que a Lusa teve acesso, no final de 2015, "mais de metade das empresas portuguesas (58,6%) pagavam com atrasos até 30 dias", 9,6% das empresas tinham atrasos nos pagamentos entre 30 e 90 dias e 11,7% tinham os pagamentos com atrasos superiores a 90 dias, sendo que estes três grupos representam 79,9% das empresas portuguesas com atrasos nos pagamentos.

Quanto à distribuição, as micro e as pequenas empresas são as que registam "índices mais elevados no cumprimento dos prazos de pagamento em Portugal (24% e 21,1%, respetivamente)". No entanto, entre as microempresas não cumpridoras, 10,6% paga a mais de 90 dias após o prazo acordado.

Já entre as grandes empresas, "apenas 6,8% respeitam os prazos de pagamento, com 78,3% destas empresas a pagar com um atraso até 30 dias".

Por setores, o que mais cumpre os prazos de pagamento é o da agricultura, silvicultura, caça e pesca (com 24,1% das empresas a cumprirem) e a construção é o setor com mais empresas com pagamentos em atraso a mais de 90 dias (20,4%).

A diretora-geral da Informa D&B, Teresa Cardoso Menezes, considera que "existe uma tendência positiva", uma vez que há "um esforço de rapidez nos pagamentos, ainda que para lá do prazo estipulado".

Em termos comparativos, Portugal é o pior pagador da Europa (20,5% das empresas paga dentro do prazo), seguindo-se a Bulgária (21,7% das empresas) e a Grécia (22,7% das empresas).

Por oposição, a Dinamarca está entre os melhores pagadores, com 87% das empresas a pagar dentro dos prazos, seguindo-se a Alemanha (72,3%) e a Hungria (59,8%).

Em média, 37,5% das empresas na Europa pagam dentro dos prazos, mas mais de metade das empresas europeias (52,1%) paga com atrasos até 30 dias e 3,5% paga a mais de 90 dias.


Lusa

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.