sicnot

Perfil

Economia

Três em cada quatro empresas portuguesas ainda se atrasam nos pagamentos

Arquivo

© Jason Lee / Reuters

Cerca de um quarto das empresas portuguesas pagou dentro dos prazos em 2015, o que representa uma "ligeira melhoria" face ao ano anterior, uma tendência que se manteve no primeiro semestre de 2016, segundo a Informa D&B.

De acordo com um estudo da Informa D&B sobre comportamentos de pagamento das empresas hoje publicado, "a percentagem de empresas portuguesas que pagam nos prazos (20,5%) ainda está longe da média europeia (37,5%)" e "há mais empresas a pagar com atrasos até 30 dias e menos a pagar com atrasos até 90 dias", sendo que as de menor dimensão são as mais cumpridoras.

Em 2015, registou-se uma "ligeira melhoria", de 2,7 pontos percentuais, na proporção de empresas que pagaram dentro dos prazos, uma tendência que também se verificou na primeira metade deste ano, com uma melhoria de mais 0,4 pontos percentuais neste indicador.

Segundo o estudo 'Comportamentos de Pagamento 2016', da Informa D&B a que a Lusa teve acesso, no final de 2015, "mais de metade das empresas portuguesas (58,6%) pagavam com atrasos até 30 dias", 9,6% das empresas tinham atrasos nos pagamentos entre 30 e 90 dias e 11,7% tinham os pagamentos com atrasos superiores a 90 dias, sendo que estes três grupos representam 79,9% das empresas portuguesas com atrasos nos pagamentos.

Quanto à distribuição, as micro e as pequenas empresas são as que registam "índices mais elevados no cumprimento dos prazos de pagamento em Portugal (24% e 21,1%, respetivamente)". No entanto, entre as microempresas não cumpridoras, 10,6% paga a mais de 90 dias após o prazo acordado.

Já entre as grandes empresas, "apenas 6,8% respeitam os prazos de pagamento, com 78,3% destas empresas a pagar com um atraso até 30 dias".

Por setores, o que mais cumpre os prazos de pagamento é o da agricultura, silvicultura, caça e pesca (com 24,1% das empresas a cumprirem) e a construção é o setor com mais empresas com pagamentos em atraso a mais de 90 dias (20,4%).

A diretora-geral da Informa D&B, Teresa Cardoso Menezes, considera que "existe uma tendência positiva", uma vez que há "um esforço de rapidez nos pagamentos, ainda que para lá do prazo estipulado".

Em termos comparativos, Portugal é o pior pagador da Europa (20,5% das empresas paga dentro do prazo), seguindo-se a Bulgária (21,7% das empresas) e a Grécia (22,7% das empresas).

Por oposição, a Dinamarca está entre os melhores pagadores, com 87% das empresas a pagar dentro dos prazos, seguindo-se a Alemanha (72,3%) e a Hungria (59,8%).

Em média, 37,5% das empresas na Europa pagam dentro dos prazos, mas mais de metade das empresas europeias (52,1%) paga com atrasos até 30 dias e 3,5% paga a mais de 90 dias.


Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.