sicnot

Perfil

Economia

Última empresa que ainda faz gravadores VHS anuncia fim da produção

O fabricante japonês de eletrónica Funai decidiu parar a produção de aparelhos e cassetes de vídeo VHS, deixando de ser a única empresa do mundo que fabricava estes dispositivos, segundo adiantou hoje o diário nipónico Nikkei.

A Funai Electronics comercializava aparelhos gravadores e reprodutores de videocassetes desde 1983, com a sua própria marca, mas também para outras empresas como a Sharp, Toshiba, Denon ou Sanyo.

Esta empresa era a única no mundo que continuava a fabricar estes aparelhos para um formato audiovisual considerado obsoleto, depois da generalização dos discos óticos e de outros sistemas digitais.

Outros gigantes nipónicos do setor, como a Panasonic, já tinham deixado de fabricar este aparelho há anos.

A Funai vai cancelar a produção de aparelhos VHS no final deste mês devido à falta de componentes materiais necessários à comecrialização, apesar de no Japão existir ainda alguma oferta.

A empresa, com sede em Osaka (oeste do país), chegou a vender cerca de 15 milhões de vídeo gravadores anuais durante a época de maior popularidade do formato VHS - entre meados dos anos 1980 e 1990 -, mas em 2015 a comercialização caiu para 750 mil.

A decisão da Funai vai causar a extinção comercial do VHS e chega depois de, em novembro do ano passado, o grupo Sony ter deixado de comercializar os vídeos Betamax, outro estandarte do vídeo analógico.

O formato VHS (sigla em inglês de Vídeo Home System) foi lançado em 1976 pela também empresa nipónica JVC, tornando-se no principal formato vídeo para uso doméstico e rivalizando com a Betamax durante quase duas décadas.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.