sicnot

Perfil

Economia

FMI insta países do G20 a mais gastos públicos para impulsionar crescimento económico

© POOL New / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que os riscos para a economia global estão a crescer, apelando às principais nações do G20 a aumentarem as despesas públicas.

Os líderes dos bancos centrais e ministros das Finanças das 20 maiores economias estão hoje reunidos na cidade chinesa de Chengdu para abordar a situação económica global, perante novas incertezas com a decisão de saída do Reino Unido da União Europeia.

"O crescimento global continua fraco e os riscos de queda tornaram-se mais salientes", disse o FMI num relatório lançado antes da reunião do G20.

Numa atualização da sua previsão de abril, o FMI reviu em baixa as suas estimativas para o crescimento global este ano e no próximo em 0,1%, para 3,1% e 3,5% respetivamente.

O novo ministro das Finanças da Grã-Bretanha, Philip Hammond, é um dos que vai usar da palavra na reunião do G20, onde deverá transmitir a mensagem de que o seu país "continua aberto ao negócio", segundo um comunicado do Tesouro britânico.

O FMI quer que as economias avançadas como a Alemanha e os Estados Unidos canalizem mais gastos públicos para investimentos em infraestruturas, de forma a ajudar a impulsionar o crescimento global, uma questão que tem suscitado divisões entre os membros do G20.

Entretanto, os ministros do G20 apelaram hoje em Chengdu ao reforço da coordenação dos seus sistemas fiscais e de troca de informações financeiras, a fim de conter as práticas de otimização agressiva das multinacionais e de oferecer uma estabilidade acrescida aos investidores.

Acabar com as "lacunas" dos regimes fiscais devido à má coordenação internacional "vai mudar as escolhas que as empresas fazem", sublinhou o secretário do tesouro norte-americano Jacob Lew, perante outros grandes financeiros do G20.

A Google e outras multinacionais como a Amazon ou Facebook são regularmente acusadas de evasão aos impostos, nos Estados Unidos e na Europa, instalando-se em países onde os sistemas de tributação lhes são mais favoráveis, como a Irlanda.

O problema foi hoje abordado num simpósio dedicado aos sistemas fiscais, organizado em Chengdu, no sudoeste da China, à margem da reunião dos ministros das Finanças e dos governadores dos bancos centrais das 20 principais economias mundiais.

"Quando as regras atuais da fiscalidade internacional foram desenvolvidas, elas refletiam a geografia, as fronteiras nacionais. Hoje em dia, as tecnologias esbatem as fronteiras", acrescentou Lew.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.