sicnot

Perfil

Economia

FMI insta países do G20 a mais gastos públicos para impulsionar crescimento económico

© POOL New / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou hoje que os riscos para a economia global estão a crescer, apelando às principais nações do G20 a aumentarem as despesas públicas.

Os líderes dos bancos centrais e ministros das Finanças das 20 maiores economias estão hoje reunidos na cidade chinesa de Chengdu para abordar a situação económica global, perante novas incertezas com a decisão de saída do Reino Unido da União Europeia.

"O crescimento global continua fraco e os riscos de queda tornaram-se mais salientes", disse o FMI num relatório lançado antes da reunião do G20.

Numa atualização da sua previsão de abril, o FMI reviu em baixa as suas estimativas para o crescimento global este ano e no próximo em 0,1%, para 3,1% e 3,5% respetivamente.

O novo ministro das Finanças da Grã-Bretanha, Philip Hammond, é um dos que vai usar da palavra na reunião do G20, onde deverá transmitir a mensagem de que o seu país "continua aberto ao negócio", segundo um comunicado do Tesouro britânico.

O FMI quer que as economias avançadas como a Alemanha e os Estados Unidos canalizem mais gastos públicos para investimentos em infraestruturas, de forma a ajudar a impulsionar o crescimento global, uma questão que tem suscitado divisões entre os membros do G20.

Entretanto, os ministros do G20 apelaram hoje em Chengdu ao reforço da coordenação dos seus sistemas fiscais e de troca de informações financeiras, a fim de conter as práticas de otimização agressiva das multinacionais e de oferecer uma estabilidade acrescida aos investidores.

Acabar com as "lacunas" dos regimes fiscais devido à má coordenação internacional "vai mudar as escolhas que as empresas fazem", sublinhou o secretário do tesouro norte-americano Jacob Lew, perante outros grandes financeiros do G20.

A Google e outras multinacionais como a Amazon ou Facebook são regularmente acusadas de evasão aos impostos, nos Estados Unidos e na Europa, instalando-se em países onde os sistemas de tributação lhes são mais favoráveis, como a Irlanda.

O problema foi hoje abordado num simpósio dedicado aos sistemas fiscais, organizado em Chengdu, no sudoeste da China, à margem da reunião dos ministros das Finanças e dos governadores dos bancos centrais das 20 principais economias mundiais.

"Quando as regras atuais da fiscalidade internacional foram desenvolvidas, elas refletiam a geografia, as fronteiras nacionais. Hoje em dia, as tecnologias esbatem as fronteiras", acrescentou Lew.

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45
  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Relação de Portugal com Angola é "insubstituível"
    1:00

    País

    Paulo Portas considera que a relação de Portugal com Angola é insubstituível. Numa entrevista ao Jornal de Negócios, o ex vice-primeiro-ministro defende que o país deve ser profissional no relacionamento político com Luanda.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.