sicnot

Perfil

Economia

FMI pede ao G20 maior liberalização económica e reformas estruturais

© Jacky Naegelen / Reuters

A diretora geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, pediu hoje aos líderes das 20 maiores nações mundiais, o chamado G20, maior liberalização comercial e reformas estruturais para potenciar o crescimento económico mundial.

Em comunicado distribuído no final da reunião que juntou os ministros das Finanças e os governadores dos bancos centrais do G20, Lagarde aplaudiu a declaração oficial do encontro, que insta a que sejam usadas "todas as ferramentas políticas - monetárias, orçamentais e estruturais - individual e coletivamente para conseguir um crescimento sustentável, equilibrado e inclusivo".

A responsável máxima do Fundo pediu, ainda assim, aos membros do G20 para "fazerem mais" pela revitalização das suas economias e, em concreto, defendeu uma aposta na liberalização comercial num momento em que há cada vez mais vozes a reclamar mais protecionismo.

"Uma maior liberalização comercial é crucial para impulsionar a produtividade e o crescimento global", disse Lagarde.

"Reunimo-nos num momento de incerteza política por causa do voto no 'Brexit' e a contínua volatilidade nos mercados financeiros; o fraco crescimento da era pós-crise [financeira de 2008] continua, com uma procura débil nas economias avançadas e difíceis transições para modelos autossustentáveis em muitas economias emergentes", acrescentou a economista.

Foram estes motivos, explicou, que levaram o Fundo a rever em baixa ligeira a previsão de crescimento mundial este ano para 3,1% e para 3,4% em 2017.

Christine Lagarde era esperada numa conferência de imprensa hoje, a primeira depois de ser público que vai ser julgada em França por alegada negligência na gestão de fundos públicos quando era ministra, mas cancelou à última da hora alegando problemas de agenda.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.