sicnot

Perfil

Economia

FMI pede ao G20 maior liberalização económica e reformas estruturais

© Jacky Naegelen / Reuters

A diretora geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, pediu hoje aos líderes das 20 maiores nações mundiais, o chamado G20, maior liberalização comercial e reformas estruturais para potenciar o crescimento económico mundial.

Em comunicado distribuído no final da reunião que juntou os ministros das Finanças e os governadores dos bancos centrais do G20, Lagarde aplaudiu a declaração oficial do encontro, que insta a que sejam usadas "todas as ferramentas políticas - monetárias, orçamentais e estruturais - individual e coletivamente para conseguir um crescimento sustentável, equilibrado e inclusivo".

A responsável máxima do Fundo pediu, ainda assim, aos membros do G20 para "fazerem mais" pela revitalização das suas economias e, em concreto, defendeu uma aposta na liberalização comercial num momento em que há cada vez mais vozes a reclamar mais protecionismo.

"Uma maior liberalização comercial é crucial para impulsionar a produtividade e o crescimento global", disse Lagarde.

"Reunimo-nos num momento de incerteza política por causa do voto no 'Brexit' e a contínua volatilidade nos mercados financeiros; o fraco crescimento da era pós-crise [financeira de 2008] continua, com uma procura débil nas economias avançadas e difíceis transições para modelos autossustentáveis em muitas economias emergentes", acrescentou a economista.

Foram estes motivos, explicou, que levaram o Fundo a rever em baixa ligeira a previsão de crescimento mundial este ano para 3,1% e para 3,4% em 2017.

Christine Lagarde era esperada numa conferência de imprensa hoje, a primeira depois de ser público que vai ser julgada em França por alegada negligência na gestão de fundos públicos quando era ministra, mas cancelou à última da hora alegando problemas de agenda.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43