sicnot

Perfil

Economia

Exportamos mais calçado do que o que fabricamos

© Rafael Marchante / Reuters

O setor do calçado português já ultrapassou os 100% de exportações, o que significa que exporta até parte do que importa. São dados do mais recente World Footwear Yearbook, hoje apresentado em Frankfurt.

"É preciso perceber que nos fluxos de exportação, muitas vezes, estão produtos que são importados. Nós, muitas vezes, importamos calçado que é reexportado e é muito fácil ter mais de 100% nas exportações. Se olharmos para países como Hong Kong, Bélgica ou Panamá, nenhum deles produz quase sapatos nenhuns e são exportadores relevantes", explicou à Lusa o diretor executivo da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), João Maia, entidade responsável pelo anuário.

No anuário pode ler-se que "Portugal exporta tudo o que produz (101%), enquanto Itália (109%) e Espanha (150%) exportam mais do que fabricam".

Segundo os dados relativos a 2015, Portugal coloca-se em 18.º na lista de maiores produtores mundiais, em termos de quantidade, e em 13.º no que diz respeito ao valor das exportações, caindo uma posição em ambas as listas quando comparado com os números de 2014.

O setor nacional do calçado só fica atrás da Itália no que toca ao preço médio de produto exportado, colocando-se à frente de países como o Japão, Espanha ou Indonésia.

João Maia sublinha que "Portugal está neste momento em máximos históricos dos valores das exportações", tendo crescido, "em termos de valor, 50% entre 2009 e 2014, o que quer dizer que cresceu 10% ao ano", momento a partir do qual tem crescido entre um a 2%.

"O que quer dizer que estamos numa fase de consolidação do processo de exportação. Esperamos retomar um maior crescimento no futuro, mas o nosso principal mercado é o europeu, que não está a registar grandes crescimentos. O que quer dizer que temos que procurar outro motor para o crescimento fora da Europa", afirmou o diretor executivo da APICCAPS.

De acordo com o retrato traçado pelo anuário da APICCAPS, Portugal exporta, em valor, mais de dois mil milhões de dólares e 79 milhões de pares de sapatos, tendo por principais mercados de destino França, Alemanha, Holanda, Espanha e o Reino Unido.

O setor nacional coloca-se em 10.º lugar na lista de maiores exportadores de calçado de couro e em sétimo no ranking de calçado impermeável.

Como a APICCAPS recorda, "a migração da produção para segmentos de maior valor acrescentado é o grande objetivo do setor, consagrado no mais recente Plano Estratégico FOOTure2020: Ser a referência internacional da indústria de calçado, pela sofisticação e pela criatividade, reforçando as exportações portuguesas alicerçadas numa base produtiva nacional, sustentável e altamente competitiva, fundada no conhecimento e na inovação'".


Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59