sicnot

Perfil

Economia

Governo e instituições sociais assinam hoje acordo para reforço do apoio financeiro

O Governo assina hoje uma adenda ao Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário 2015-2016, que prevê um aumento do apoio financeiro do Estado em 1,3% às instituições com acordo de cooperação.

"Para além da atualização das comparticipações financeiras, pretende-se clarificar e agilizar determinadas matérias no âmbito da Segurança Social, da Saúde e Educação, reforçando os princípios da transparência, da confiança e da partilha de um plano estratégico no âmbito do desenvolvimento social, que garanta a sustentabilidade do setor social e a acessibilidade aos serviços sociais, mantendo a qualidade dos serviços prestados às populações", explica uma nota de imprensa enviada pelo Governo.

Num comunicado de 14 de julho o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) já havia afirmado que "em sede de Orçamento da Segurança Social para 2016, o Governo inscreveu uma dotação de 1.426,5 milhões de euros para as despesas de cooperação com as instituições do setor social, [...] ou seja, um reforço de 75 milhões de euros".

Este ano, "a comparticipação financeira, devida por força dos acordos de cooperação celebrados para as respostas sociais, aumenta 1,3% face ao observado em 2015", de acordo com o ministério.

Deste aumento, 0,4% visa compensar os encargos decorrentes do crescimento gradual da taxa contributiva para a segurança social, e 0,9% traduz a atualização de todos os acordos de cooperação em vigor, o que representa um acréscimo de 0,3% nesta componente face ao ano anterior.

Na cerimónia de assinatura da adenda, que decorre no Salão Nobre do MTSSS, pelas 15:00, vão estar presentes os ministros do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, o secretário de Estado Adjunto da Saúde, Fernando Araújo, o presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), Padre Lino Maia, o presidente da União das Misericórdias Portuguesas, Manuel Lemos e o presidente da União das Mutualidades, Luís Alberto Silva.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC