sicnot

Perfil

Economia

Portugal deve conhecer hoje multa e novas recomendações orçamentais de Bruxelas

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters (Arquivo)

Portugal deverá conhecer hoje a possível multa a pagar por falhar as metas orçamentais impostas pela União Europeia (UE), num anúncio esperado para o início da tarde após a última reunião dos comissários europeus antes das férias de verão.

Desde maio, que Portugal e Espanha aguardam pelo desfecho do processo por terem ficado acima de um défice de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), esperando-se que hoje seja anunciado quer a multa, que pode ir até aos 0,2% do PIB, quer novos prolongamentos para cumprir objetivos.

Na conferência de imprensa diária, em Bruxelas, de terça-feira, Margaritis Schinas, porta-voz do executivo comunitário, informou que o colégio de comissários vai "considerar passos que se tornaram necessários, na sequência da decisão do Conselho que nenhum dos países realizou ações efetivas para corrigir os seus défices excessivos".

Assim, o executivo comunitário vai propor qual a sanção, pertencendo ao Conselho de ministros europeus das Finanças (Ecofin) - que a 12 de julho concluiu que os países ibéricos tinham falhado nas metas -- aprovar esta decisão.

Adiada até setembro está a decisão sobre a suspensão de fundos estruturais, por ainda estar agendado um "diálogo estruturado" entre a Comissão Europeia e o Parlamento Europeu (PE).

O aprofundamento do procedimento por défice excessivo pressupõe uma proposta da Comissão sobre a suspensão de parte dos compromissos dos Fundos Estruturais e de Investimentos, que pode ir até 0,5% do PIB ou até 50% dos compromissos assumidos.

O primeiro-ministro português, António Costa, tem insistido que "não há qualquer justificação, nem base legal, e que seria aliás contraproducente a aplicação de sanções por um resultado não alcançado em 2015" e quando se está num ano "em que, felizmente a própria Comissão Europeia reconhece que se irá conseguir cumprir este objetivo".

Lusa

  • À espera do "puxão de orelhas" de Bruxelas
    1:39

    Economia

    A Comissão Europeia decide, esta quarta-feira, o valor das sanções a aplicar a Portugal e Espanha. Há comissários europeus a defender que não deve haver qualquer multa mas há outros que pedem uma penalização entre os 18 e os 36 milhões de euros. Carlos Moedas e Pierre Moscovici são dois dos comissários que defendem a aplicação de multa zero.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.