sicnot

Perfil

Economia

"As sanções morreram ontem"

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que "para todos os efeitos práticos, as sanções morreram ontem", quarta-feira, respondendo assim ao desapontamento manifestado por Dijsselbloem.

No final da conferência do Conselho de Ministros, Augusto Santos Silva foi questionado pelos jornalistas sobre o desapontamento manifestado pelo presidente do Eurogrupo relativamente à proposta da Comissão Europeia para não serem aplicadas quaisquer multas a Portugal e a Espanha, no âmbito da violação de metas orçamentais.

O governante respondeu que o executivo olhou para esta posição "com toda a atenção que merecem as declarações produzidas por personalidades europeias, mas com a atenção que essas declarações merecem", recordando que "o Eurogrupo nem sequer é um órgão com existência estatutária formal no conjunto da União Europeia".

"Para todos os efeitos práticos as sanções morreram ontem, elas foram canceladas ontem", enfatizou.

Segundo Santos Silva, o Governo liderado por António Costa vai agora "aguardar o processo, uma vez que o "Ecofin tem 10 dias para se pronunciar".

"Pode pronunciar-se tacitamente, por procedimento escrito ou com reunião formal, depende da decisão da presidência. E pode evidentemente reverter a decisão da Comissão, através da chamada maioria qualificada e invertida", elencou.

A Comissão Europeia decidiu quarta-feira recomendar a suspensão da multa a Portugal no quadro do processo de sanções devido ao défice excessivo e apresentará posteriormente uma proposta sobre a suspensão de fundos.

Presidente da República, Governo e partidos congratularam-se com esta decisão vinda de Bruxelas, mas do presidente do Eurogrupo veio uma reação negativa.

"É dececionante que não haja seguimento da conclusão de que Espanha e Portugal não tomaram ações eficazes para consolidar os seus orçamentos", referia na quarta-feira numa declaração divulgada pelo gabinete do ministro holandês das Finanças, Jeroen Dijsselbloem, que deixa claro que, "apesar de todos os esforços realizados, Espanha e Portugal ainda estão em perigo".

Com Lusa

  • "Quando nos unimos em torno de causas justas, vencemos"
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que a não existência de sanções é uma vitória de Portugal e de todos os portugueses, de todos os partidos políticos, dos que governam e dos que governavam nos últimos quatro anos. Na mensagem a partir de Belém, o Presidente da República lembrou ainda que a decisão da Comissão Europeia mostra também que quando o país se une, o país consegue.

  • Dijsselbloem "desiludido" com a aplicação de multas zero

    Economia

    O presidente do Eurogrupo lamenta a decisão da Comissão Europeia, de aplicar multas zero a Portugal e Espanha. À SIC, o porta-voz de Jeroen Dijsselbloem revelou que o presidente do Eurogrupo ficou desiludido por não haver consequências para os dois países, depois de se ter concluído que não tomaram as medidas necessárias para corrigirem os défices excessivos.

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38