sicnot

Perfil

Economia

Carlos Costa realça que CGD é o "pilar" da estabilidade financeira

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, salientou que a sua principal missão é garantir a estabilidade do sistema financeiro português e considerou que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o pilar desse objetivo.

"A nossa missão é preservar a estabilidade financeira e a CGD é o pilar dessa estabilidade", lançou o líder do BdP durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao banco estatal.

Carlos Costa deixou uma mensagem de confiança ao assinalar que "a CGD está adequadamente capitalizada" ainda que seja natural que necessite de mais capital "para fazer face a novos desafios regulatórios e a uma reestruturação".

Segundo o responsável, o plano de capitalização da CGD que está a ser negociado com Bruxelas deve ser visto como uma "mensagem de potenciação para o futuro" do banco público.

De resto, o governador sublinhou que a CGD é o maior grupo do sistema bancário nacional com quotas de 21% no crédito e de 28% nos depósitos, apontando para a sua "importância sistémica que é ímpar".

E realçou: "Estes valores devem ser conservados. Este pilar de confiança e estabilidade funcionou plenamente nos últimos seis anos e foi muito importante durante os desenvolvimentos da crise soberana e bancária à escala europeia".

Carlos Costa destacou também que "a CGD sempre cumpriu os requisitos prudenciais sem ter recorrido a novos aumentos de capital, isto, apesar do impacto negativo das taxas de juro baixas" e do ambiente económico desfavorável que levou à quebra da procura de crédito e à subida do incumprimento no crédito por parte das empresas e das famílias.

"Importa sublinhá-lo para fazer justiça a quem liderou o banco nos últimos anos", vincou, em referência à equipa de gestão liderada por José de Matos que está de saída da instituição.

O governador assinalou que a recuperação da rentabilidade é "o grande desafio que se coloca ao sistema bancário europeu e português" neste período.

"O reforço da rendibilidade é fundamental para os bancos para gerarem capital internamente e para atraírem novos investidores", frisou, acrescentando que o setor tem ainda que se adaptar ao "progresso tecnológico" e à "alteração do consumo de serviços financeiros".

Segundo Carlos Costa, "os bancos terão que efetuar investimentos significativos a nível tecnológico", ao mesmo tempo que têm que se preparar para as cada vez "maiores exigências de capital" requeridas pelos supervisores.

Lusa

  • Alegadas luvas a José Sócrates investigadas
    1:45

    Operação Marquês

    O Ministério Público fez novas buscas no âmbito da Operação Marquês, que investiga José Sócrates. O processo sobre as alegadas luvas a Sócrates está focado nos negócios relacionados com a PT. Desta vez, os alvos foram a Caixa Geral de Depositos e o Banco Haitong, antigo BESI.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.