sicnot

Perfil

Economia

Fitch considera que cancelamento de sanções prejudica credibilidade

A agência de notação Fitch considera que a decisão da Comissão Europeia de cancelar as multas a Portugal e Espanha por défice excessivo afeta a credibilidade das regras orçamentais da zona euro.

Em comunicado divulgado hoje, a Fitch afirma que o ritmo de consolidação orçamental na Europa abrandou e que a política europeia se afastou de assuntos como a disciplina orçamental e as reformas económicas.

"A Comissão Europeia e muitos governos da zona euro afastaram-se de uma interpretação estrita das regras orçamentais europeias, favorecendo uma política orçamental mais laxista", afirma a Fitch, salientando que o resultado no curto prazo pode ser um apoio ao crescimento, mas que acaba por "prejudicar a credibilidade orçamental da zona euro" quando o elevado endividamento público continua a limitar muitos países da região.

Na quarta-feira, a Comissão Europeia anunciou que decidiu recomendar a suspensão da multa a Portugal e Espanha no quadro do processo de sanções devido ao défice excessivo.

O executivo comunitário indicou que decidiu propor a anulação das multas tendo em conta os argumentos apresentados pelos governos dos dois países, os esforços de reformas que foram feitos, os desafios económicos que os dois Estados-membros enfrentam e, por fim, os compromissos assumidos por Lisboa e Madrid relativamente ao cumprimento das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

Lusa

  • Da esquerda à direita, as reações ao cancelamento de sanções

    Economia

    O Governo diz que a decisão de Bruxelas de anular a aplicação de sanções é uma boa notícia. Também para o PSD, hoje é um dia bom para Portugal. O CDS fica igualmente mas pede ao Executivo para tirar Portugal do "radar" das sanções. Já o PCP considera que a decisão é uma forma de manter a chantagem e a pressão. Para o Bloco de Esquerda, é um sinal que vale a pena lutar pelo país na Europa.

  • "Quando nos unimos em torno de causas justas, vencemos"
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que a não existência de sanções é uma vitória de Portugal e de todos os portugueses, de todos os partidos políticos, dos que governam e dos que governavam nos últimos quatro anos. Na mensagem a partir de Belém, o Presidente da República lembrou ainda que a decisão da Comissão Europeia mostra também que quando o país se une, o país consegue.

  • "Vale a pena jogar o jogo das regras europeias"
    1:41

    Economia

    Augusto Santos Silva diz que a decisão de Bruxelas, de anular a aplicação de sanções, é uma boa notícia para Portugal e para a Europa. Na primeira reação à decisão da Comissão Europeia, o ministro dos Negócios Estrangeiros diz que esta decisão mostra que a razão estava do lado de Portugal e que vale a pena jogar o jogo das regras europeias.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".