sicnot

Perfil

Economia

Lucros da Volkswagen caem 57% no primeiro trimestre

© Shannon Stapleton / Reuters

Os lucros da fabricante de automóveis alemã Volkswagen caíram 57% no segundo trimestre, para 1,15 mil milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

Os lucros do segundo trimestre foram pressionais por quase 2,5 mil milhões de euros em fatores especiais, maioritariamente relacionados com o escândalo da manipulação de emissões poluentes de 2015.

"Enormes provas serão necessárias para conter os elevados custos da questão do diesel", disse o diretor financeiro, Frank Witter, em comunicado.

No primeiro semestre, os lucros líquidos caíram para 3,579 milhões de euros, 36,8% menos do que no mesmo período de 2015.

No mesmo período, os lucros operativos caíram 21,7%, para 5.339 milhões de euros.

A faturação caiu 0,8% entre janeiro e junho, para 107.935 milhões de euros, quando comparado com o primeiro semestre do ano passado.

A Volkswagen criou no primeiro semestre provisões adicionais de 1.600 milhões de euros para enfrentar os custos legais da manipulação de emissões.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.