sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank ganha 638 M€ no 1º semestre de 2016, menos 9,9% que em 2015

© Albert Gea / Reuters

O espanhol CaixaBank, maior acionista do português BPI, teve um lucro de 638 milhões de euros no primeiro semestre de 2016, uma diminuição de 9,9 % face ao período homólogo, incluindo impactos extraordinários associados à integração do Barclays.

Segundo informação prestada hoje pelo banco catalão à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de valores espanhola), o benefício alcançado foi "apoiado na receita bancária, na contenção de despesas e na redução das dotações".

O CaixaBank recorda que os resultados verificados no primeiro semestre de 2015 incluíam "impactos singulares" associados à integração do Barclays Bank.

Por outro lado, o resultado antes de impostos no primeiro semestre do corrente ano é de 888 milhões de euros, um aumento de 59,4% em relação ao primeiro semestre de 2015.

O resultado atribuído ao negócio bancário e de seguros, excluindo a atividade imobiliária e as participadas, ascende a 943 milhões de euros, informa o banco.

De acordo com o CaixaBank, a evolução do crédito confirma a tendência de recuperação, com um crescimento de 1,0% em 2016, até 208.486 milhões de euros, devido à "sólida melhoria" dos novos créditos desde junho de 2015.

Também se verificou um crescimento dos recursos dos clientes, que ascendiam a 304.465 milhões de euros (+2,7%, 7.866 milhões no primeiro semestre), com uma variação trimestral de 3,0%.

Lusa

  • A Verdade sobre a Mentira
    35:13
  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32