sicnot

Perfil

Economia

China legaliza Uber e outros aplicativos de transporte

© Tyrone Siu / Reuters

O Governo da China legalizou de forma definitiva as atividades da empresa norte-americana Uber, do seu rival chinês Didi Chuxing e outros aplicativos de transporte, informou hoje a agência noticiosa oficial Xinhua.

A nova normativa, a primeira aprovada por um país para regular este modelo de negócio, foi apresentada na quinta-feira, e acaba com anos de incerteza sobre a legalidade da Uber e Didi, face aos protestos dos táxis tradicionais.

O Ministério dos Transportes chinês dispensou ainda estes serviços de ter a sua própria frota de veículos, ao contrário das companhias de táxi.

Os condutores que utilizam aqueles aplicativos poderão solicitar uma licença para operar e as empresas serão responsáveis por garantir que estes têm qualificação suficiente e os veículos têm as melhores condições, aponta o documento.

Veículos com uma quilometragem superior a 600.000 km e mais de oito anos estão proibidos de ser usados naqueles aplicativos, acrescenta.

Já aos condutores que tenham sido punidos por atos violentos, consumo de álcool, drogas ou infrações no trânsito, não lhes será atribuída a licença.

As empresas do setor devem pagar impostos e estão proibidas de praticar políticas agressivas de preços, suscetíveis de causar perturbações no mercado.

O comunicado dirige-se também às companhias tradicionais de táxi, apelando a que reduzam as altas taxas cobradas aos seus próprios condutores e que, face à concorrência imposta por empresas como a Uber, dificultaram em muito o negócio de milhões de taxistas.

O fenómeno levou condutores de táxi de diversas cidades chinesas a organizar numerosas greves, nos últimos anos, interrompendo por vezes o trânsito nas suas localidades, durante horas ou até dias.

A regulação foi bem recebida pelos aplicativos de transportes, com a Didi a afirmar, em comunicado, que se trata de "um passo histórico na promoção de um desenvolvimento estável e saudável da indústria".

Já a Uber apontou que "demonstra o reconhecimento e apoio do Governo" aos seus serviços.

Em 2015, cerca de 100 milhões de chineses solicitaram, pelo menos uma vez, um veículo através de aplicativos.

Em maio, o gigante tecnológico norte-americano Apple investiu 1.000 milhões de dólares no Didi Chuxing, o líder do mercado na China, com uma quota de 87% do mercado.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.