sicnot

Perfil

Economia

Exportações de mobiliário e colchoaria crescem 15% até maio

As exportações de mobiliário e colchoaria aumentaram 15% entre janeiro e maio por comparação ao mesmo período de 2015, referiu a associação do setor, com o mercado francês a alcançar a posição de maior destino.

Em comunicado, a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins (APIMA), a partir de dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), disse que o valor das exportações entre janeiro e maio foi de 724 milhões de euros.

"A posição de França no 'ranking' dos principais destinos comerciais do setor é seguida de perto pela Espanha, que cresceu 27% em termos homólogos, para um volume de vendas na ordem dos 210 milhões de euros, correspondentes a uma quota de mercado de 29%", escreveu a APIMA.

Em terceiro lugar nos mercados de destino encontra-se a Alemanha, "apesar do decréscimo homólogo de 13%", com uma quota de exportações de 6%, o que representou um volume de vendas de 46 milhões de euros.

Assim, os três países -- França, Espanha e Alemanha -- representam dois terços do total das exportações do setor.

"Importa salientar que as importações do setor registaram um crescimento de 18% face a igual período homólogo, fixando-se nos 320 milhões de euros, valor que assegura a continuação de um saldo superavitário da balança comercial do setor, que registou a importância de 403 milhões de euros", acrescentou a APIMA.

A associação recordou ainda que "com o propósito de conferir uma identidade à campanha de promoção internacional do setor, já apoiou 105 empresas, que marcaram presença num conjunto de 26 ações promocionais realizadas em oito mercados estratégicos (Espanha, Singapura, Itália, França, EUA, Reino Unido, Rússia e Alemanha), onde dispuseram de 264 espaços de exposição em feiras e montras internacionais".

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.