sicnot

Perfil

Economia

Grupo chinês Fosun propõe aquisição de 16,7% do capital do BCP

A empresa de investimento chinesa Fosun propôs ao Banco Comercial Português (BCP) comprar 16,7% do capital do banco, de acordo com a informação transmitida pelo BCP à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A aquisição será consolidada através de um aumento de capital, que a Fosun admite, na proposta agora feita, reforçar posteriormente "para entre 20% a 30%".

"A Fosun propõe-se subscrever um aumento de capital reservado", passando a deter "uma participação de aproximadamente 16,7% do total de ações representativas do capital social do BCP", indicou a empresa chinesa numa carta enviada à instituição bancária portuguesa.

"A Fosun considera ainda aumentar a sua participação através ou de operações em mercado secundário ou no contexto de aumentos de capital futuros, com vista ao potencial aumento da participação social da Fosun no BCP para entre 20% a 30%", acrescentou no mesmo documento.

A proposta da Fosun está dependente de uma série de condições, que o BCP, no seu comunicado, reconhece como tendo "interesse estratégico potencial".

Todavia, tal reconhecimento "não pode ser entendido como garantia de que a operação proposta venha a efetuar-se ou como significando que tenha sido tomada qualquer decisão relativamente à mesma", conclui-se no comunicado enviado à CMVM.

O grupo Fosun detém em Portugal a seguradora Fidelidade e o grupo de prestação de cuidados de saúde Luz Saúde.

Lusa

  • Avião cruza-se com drone a 900 metros de altitude
    2:01
  • Naufrágio na Colômbia registado em vídeo
    2:11
  • PSP descentraliza a regularização de armas
    3:55

    País

    A PSP de Bragança percorreu os 12 concelhos do distrito ao encontro dos proprietários de armas com vista à sua regularização. A iniciativa, que pretende evitar a deslocação das pessoas à capital de distrito, teve uma forte adesão.

  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.