sicnot

Perfil

Economia

Associação de Hotelaria e Restauração saúda descontos em autoestradas

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) aplaudiu a decisão do Governo de reduzir 15% as portagens de cinco autoestradas, a qual entrou esta segunda-feira em vigor.

Lusa

O desconto é atribuído a todos os veículos que circulem em algumas autoestradas do interior do país e do Algarve, a maioria ex-Scut (vias sem custos para o utilizador).

Para a associação, esta é uma medida "da maior relevância", por considerar que a rede rodoviária portuguesa é um dos pontos mais fortes da oferta turística, ao proporcionar "rapidez, segurança e conforto de acesso a qualquer parcela do território".

"Fazemos votos para que, a curto prazo, a economia portuguesa possa suportar ainda maiores esforços orçamentais", salienta o diretor-geral da AHRESP, José Manuel Esteves, citado na nota.

A medida, que consta de uma portaria governamental publicada no dia 20, abrange as autoestradas A23 (Torres Novas -- Guarda), A22 (Lagos - Vila Real de Santo António) e A24, entre Viseu e a fronteira de Vila Verde de Raia, no município de Chaves.

Os descontos estendem-se à autoestrada A4, denominada Transmontana, entre Amarante e Quintanilha (Bragança), mas deixa de fora o troço daquela via entre Matosinhos (Porto) e Amarante.

Ainda na A4, no Túnel do Marão, recentemente inaugurado, o preço praticado já abrange os 15% de desconto, anunciou o Governo.

É também abrangida a A25 entre Albergaria-a-Velha e Vilar Formoso, mas não no troço inicial, que liga Aveiro a Albergaria-a-Velha.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15