sicnot

Perfil

Economia

Ministro da Economia desvaloriza subida da dívida pública

ANDR\303\211 KOSTERS

O ministro da Economia desvalorizou a subida da dívida pública, hoje conhecida, explicando que aquela "evoluiu dentro de um padrão" e que como está "em linha" com o crescimento nominal existe uma "estabilização" do rácio de endividamento.

Em Braga, à margem de visitas a empresas do distrito, Caldeira Cabral considerou que o "importante" é que a dívida pública "cresça menos" do que a economia e que haja "contenção" nas contas públicas.

A dívida pública portuguesa subiu 2,4 mil milhões de euros em junho, relativamente a maio, totalizando 240 mil milhões de euros no final do primeiro semestre, de acordo com informação hoje divulgada pelo Banco de Portugal (BdP).

"É uma evolução que vem dentro de um padrão, é um aumento de 3%, que desde que esteja em linha com o crescimento nominal, e é o que se está a ver, significa uma estabilização do rácio do endividamento", afirmou Caldeira Cabral quando confrontado com aqueles dados do BdP.

Segundo o titular da pasta da Economia, "mais importante é garantir que há uma trajetória de crescimento da economia e contenção nas contas públicas" o que, segundo Caldeira Cabral, "garante um controlo do endividamento e uma redução do rácio de endividamento e é isso que está previsto para esta legislatura".

O ministro referiu que "a dívida pública vai continuar a crescer dentro do padrão em que vinha".

"Se crescer menos do que a economia vamos ter uma diminuição do rácio de endividamento", concluiu.

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43