sicnot

Perfil

Economia

Greve na Air France vai custar 90 milhões de euros

© Sergio Moraes / Reuters

A greve iniciada há uma semana pelo pessoal de cabine da Air France vai custar à empresa cerca de 90 milhões de euros, indicou hoje o presidente da companhia aérea, Frédéric Gagey.

"É uma soma extremamente importante, o valor de um avião de longo curso", disse Gagey à emissora France Info, no último dia do protesto.

Gagey lamentou o impacto "muito negativo" na imagem da empresa e indicou os 180 mil passageiros que, segundo os seus números, foram afetados pela paralisação.

Desde o início da greve, na passada quarta-feira, foram cancelados mais de 900 voos.

Para hoje, a Air France tinha previsto o cancelamento de 10% dos voos, depois dos 20% de anulações de segunda-feira.

A greve destina-se a pressionar a administração a negociar o acordo que fixa as condições de trabalho, remunerações e promoções. O atual acordo expira no final de outubro e a administração propôs um prolongamento por mais 17 meses, mas os sindicatos querem um novo acordo com uma vigência de três a cinco anos.

Lusa

  • E os nomeados são... conhecidos hoje

    Cultura

    São, esta terça-feira, conhecidos os nomeados para os Óscares. O anúncio vai ser feito a partir de Los Angeles quando forem 13h00 em Lisboa e seguido em direto numa emissão especial da SIC Notícias.

    Aqui a partir das 13:00

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • "Shutdown" nos EUA chegou ao fim
    1:05
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.