sicnot

Perfil

Economia

Lucros da Lufthansa caem 55% no 1º semestre

​Os lucros da Lufthansa caíram 55% no primeiro semestre deste ano para 429 milhões de euros, face a igual período do ano passado, devido à contabilização de resultados extraordinários, divulgou hoje a companhia aérea alemã.

No ano passado, a companhia contabilizou nos resultados do primeiro trimestre um efeito extraordinário de 500 milhões de euros de dívida convertível, refere em comunicado.

Nos primeiros seis meses deste ano, o resultado operacional aumentou 11,9% para 518 milhões de euros, em relação ao primeiro semestre de 2015, salienta.

As receitas cresceram 2,1% no primeiro semestre deste ano, para cerca de 15 milhões de euros, face a idêntico período do ano anterior, devido à subida dos preços de transporte dos passageiros e da carga e ao aumento do número de passageiros.

O presidente da Lufthansa, Carsten Spohr, considerou que "o grupo teve um resultado sólido no primeiro semestre", tendo progredido bem na aplicação da sua estratégia de mudança.

Lusa

  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.