sicnot

Perfil

Economia

Quebra da produção do tomate por chegar aos 35% devido à chuva

© Alexandre Meneghini / Reuters

As chuvas de maio e a redução do preço do tomate na indústria estão a preocupar os produtores, que estimam quebras de produção entre os 20 e os 35%, disse hoje fonte do setor à Lusa.

Gonçalo Escudeiro, dirigente da Torriba, organização de produtores de hortofrutícolas, afirmou à agência Lusa que as "más condições climatéricas" que se registaram durante o mês de maio atrasaram em 15 dias o início da campanha do tomate (iniciou-se na segunda-feira), situação que está a deixar os produtores desta fruta "muito preocupados".

"Tivemos chuvas que nos fizeram atrasar a campanha e dificultaram e muito a nossa atividade. Os produtores estimam quebras de produção entre os 20 e os 35%. Uma quebra muito significativa", apontou.

O responsável referiu que para "minimizar" os estragos causados pela chuva os produtores tiveram de levar a cabo investimentos "significativos", que fizeram subir os custos de produção "no mínimo em 10%".

"A juntar a isto verificou-se uma redução do preço na indústria entre 5% e os 6%. Face a isto, os produtores iniciam esta campanha numa situação muito difícil e fragilizada", apontou.

Nesse sentido, Gonçalo Escudeiro defendeu a necessidade de existir tanto do lado da indústria do setor como do Governo uma maior atenção aos problemas dos produtores.

"Ainda há pouco tempo o Ministério da Agricultura penalizou os produtores com uma redução dos valores que atribuíam nos prémios do seguro. Isso implica um aumento de 11% no custo do seguro", lamentou.

A campanha do tomate iniciou-se no dia 1 de agosto e vai prolongar-se até ao dia 15 de outubro.

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05