sicnot

Perfil

Economia

Fitch estima défice de 3,4% do PIB em 2016

A agência de "rating" Fitch estima que o défice português atinja 3,4% do PIB este ano e os 3,3% em 2017, alertando que será difícil cumprir as metas europeias e, ao mesmo tempo, evitar uma crise política.

Num relatório de análise a Portugal divulgado hoje, cerca de duas semanas antes da atualização do "rating" da República, prevista para 19 de agosto, a Fitch estima que o défice orçamental português represente 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, acima dos 2,2% reiterados pelo Governo liderado por António Costa e dos 2,5% exigidos por Bruxelas para 2016.

"Atingir o objetivo orçamental será difícil, até porque está dependente do crescimento económico e assunções que são mais otimistas do que prevê a maioria dos analistas independentes, ao mesmo tempo que existe alguma incerteza quanto ao verdadeiro impacto das medidas previstas do lado da receita", afirma a agência de notação norte-americana.

A agência de notação financeira norte-americana duvida também que o défice desça abaixo dos 3% - limiar de referência para o encerramento do Procedimento por Défices Excessivos - em 2017, antecipando que o saldo das contas nacionais continue a ser negativo, em 3,3% do PIB nesse ano.

Nesse sentido, a Fitch sublinha que "existe o risco de a Comissão Europeia exigir mais medidas de consolidação no Orçamento de Estado de 2017" e acrescenta que "embora o Governo tenha concordado com a apresentação de medidas adicionais se necessário" este poderá ser "um ponto de rutura" com os partidos que apoiam o Governo do PS no parlamento, PCP e Bloco de Esquerda.

"Até aqui, o Governo socialista mostrou vontade para cumprir as regras orçamentais europeias, mas um novo período de incerteza política poderá prejudicar a confiança e o crescimento económico o que, por sua vez, dificultaria a consolidação orçamental e a redução da dívida", afirma a agência de "rating".

A Fitch duvida ainda da meta de crescimento económico prevista pelo Governo (1,8%) para este ano, acreditando mesmo que a economia desacelere no conjunto de 2016 face ao ano anterior, crescendo apenas 1,2% (uma revisão em baixa face aos 1,6% previstos anteriormente), quando no ano passado avançou 1,5%.

A agência estima que a economia depois acelere ligeiramente para 1,3% em 2017 se mantenha nesse ritmo em 2018.

"Dados preliminares mostram que um motor importante desta desaceleração foi a contração no investimento no primeiro trimestre de 2016", escreve, apontando também o impacto de uma procura mais fraca dos mercados de exportações portugueses, como Angola e Brasil.

Ainda assim, a Fitch espera que o consumo privado mantenha a sua força, "devido a medidas orçamentais que vão aumentar o rendimento disponível" durante este ano.

"Os riscos [à previsão] continuam a ser negativos, sobretudo se o ambiente político piorar", sublinha.

No Programa de Estabilidade 2016-2020, o Governo estima um défice de 2,2% do PIB (igual ao previsto no Orçamento do Estado) este ano, de 1,4% em 2017, de 0,9% em 2018 e de 0,1% em 2019. Em 2020, último ano do horizonte, antecipa um excedente de 0,4% do PIB.

No mesmo documento, o Executivo prevê um crescimento económico de 1,8% este ano (igual ao orçamento) e em 2017, de 1,9% em 2018, de 2% em 2019 e de 2,1% em 2020.

Lusa

  • Fuga de ácido em camião corta EN1 em Gaia

    País

    Uma fuga de gás clorídrico do contentor de um camião que circulava na zona de Pedroso em Vila Nova de Gaia obrigou ao corte do trânsito na EN 1, no sentido Norte/Sul.

    Em desenvolvimento

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.