sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores do INEM iniciam greve às horas extraordinárias

(SIC/ Arquivo)

Os trabalhadores do Instituto Nacional de Emergência Médica iniciam hoje uma greve aos turnos extraordinários, cujo impacto na redução ou fecho de meios INEM já se verifica desde julho, segundo o sindicato dos trabalhadores da função pública do Norte.

Em causa está o recurso às horas extras "para esconder a falta de profissionais", afirma o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN), que acusa o INEM e Ministério da Saúde de porem em causa a emergência médica.

O sindicato assegura que "ao contrário do que o INEM e a tutela assumiram publicamente", a greve ao trabalho extraordinário que hoje se inicia já está a ter "um grande impacto na redução ou fecho de meios INEM" desde julho.

"Sobretudo na zona norte, Porto e Braga, e na zona centro, estão a ser programadas diminuições significativas dos níveis de serviço que terão necessariamente impacto na missão de emergência médica", afirma, lembrando que "esta greve ocorre num contexto em que o INEM tem visto os seus meios serem diminuídos ao longo dos anos, fruto de uma política de desinvestimento no setor".

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.