sicnot

Perfil

Economia

Buscas na Amazon no Japão por suspeita de práticas anticoncorrenciais

Michel spingler

​As autoridades japonesas fizeram uma busca na sede da Amazon no Japão devido a suspeitas de que a empresa norte-americana de comércio eletrónico terá violado regras anticoncorrenciais, noticiou o diário Nikkei.

A operação foi ordenada pela entidade responsável pela concorrência nipónica (Fair Trade Comission), depois de uma investigação feita por esta autoridade estatal que aponta que a Amazon terá pressionado os retalhistas a oferecer produtos em condições mais favoráveis do que os sites rivais, adianta o diário.

De acordo com a Efe, suspeita-se de que a Amazon do Japão terá obrigado os seus retalhistas a fixar preços mais baixos no seu portal do que em outras plataformas de comércio eletrónico concorrentes, segundo fontes ligadas ao processo.

Até ao momento, a subsidiária japonesa não fez qualquer comentário.

A Amazon, líder do setor do comércio eletrónico naquele mercado asiático, já tinha sido investigada por práticas anticoncorrenciais em França, Alemanha, Reino Unido e pela Comissão europeia.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Rui Rio comprometeu-se a realizar apenas dois debates
    0:45

    País

    Rui Rio disse esta terça-feira que foi apanhado de surpresa com a mudança de posição de Pedro Santana Lopes, que exige três debates entre os dois candidatos à liderança do PSD nos canais generalistas. Rui Rio reiterou ainda que se comprometeu a fazer apenas dois debates.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.