sicnot

Perfil

Economia

PSD nega que isenção do IMI esteja a beneficiar emigrantes e estrangeiros

O PSD nega que a isenção do IMI decidida pelo anterior Governo social-democrata permita que estrangeiros e emigrantes fiquem isentos do pagamento daquele imposto, acusando o atual Executivo socialista de se preparar para reverter "uma importante medida social".

O Jornal de Negócios cita hoje o ministro-Adjunto e do primeiro-ministro, Eduardo Cabrita, que afirma que o automatismo das isenções de Imposto Municipal de Imóveis (IMI) para quem tem rendimentos até 15.295 euros e imóveis até 66.500 euros, introduzidas pelo anterior Governo PSD/CDS-PP no Orçamento do Estado de 2015 (OE2015), permitiram que estrangeiros e emigrantes sem rendimentos em Portugal deixassem de pagar, só em abril, 57 milhões de euros deste imposto.

Num comunicado enviado às redações, o PSD recusa que existam estrangeiros ou emigrantes "a beneficiar indevidamente da isenção" e acusa o atual Governo de se estar a "preparar para reverter uma importante medida social no IMI".

Para os sociais-democratas, "este Governo procura aumentar a todo o custo as receitas fiscais e estará a preparar-se para reverter uma importante medida social introduzida na anterior legislatura para tentar cobrar mais receitas".

O PSD lembra que esta medida, introduzida no OE2015, "teve um caráter social, de preocupação com a situação dos contribuintes de menores rendimentos, e destinou-se a garantir que todos aqueles que cumprem os respetivos critérios podem dela beneficiar, transferindo para a administração fiscal a responsabilidade desse apuramento, aliviando os contribuintes de burocracias injustificáveis e de perderem um benefício por desconhecimento dos seus direitos".

Segundo Eduardo Cabrita, o Governo pretende corrigir este automatismo no Orçamento de Estado para 2017.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.