sicnot

Perfil

Economia

CGTP acusa instituições europeias de exercerem chantagem sobre Portugal

A CGTP considerou que o processo sobre a eventual aplicação de sanções a Portugal, que acabou por não avançar, constitui "uma forma de chantagem" e "um instrumento de pressão" sobre o Estado português.

O Conselho da União Europeia aceitou não impor sanções a Portugal e Espanha, depois de os dois países terem falhado as metas europeias de redução de défice excessivo, e definiu novos prazos para a correção do défice, foi hoje conhecido.

Face a esta decisão, a CGTP afirma, em comunicado, que "o processo sancionatório que dura há já vários meses constitui uma forma de chantagem e um instrumento de pressão sobre o Estado Português, com o intuito de travar a reposição de direitos e rendimentos e fazer regressar a política de exploração e empobrecimento dos trabalhadores, do povo e do país".

A Intersindical rejeita que "a não imposição de multas não tenha consequências para o país", nomeadamente, "pela instabilidade provocada, e também por culminar na exigência de medidas corretivas do défice quer ainda para 2016, quer para 2017, numa tentativa de condicionar o Orçamento para o próximo ano".

Tais medidas são, segundo a CGTP, "castradoras do crescimento económico, pelo que acarretam elevados custos".

A central sindical entende que a recomendação de novas medidas de redução do défice até outubro proposta por Bruxelas "revela que a verdadeira intenção das instituições europeias e das regras dos Tratados Europeus é a adoção de uma permanente política de empobrecimento e de exploração dos povos e, em particular, daqueles que, como Portugal, têm sido sujeitos a consecutivos pacotes de austeridade, no quadro da execução de uma política de direita".

A Inter acusa ainda a Comissão Europeia e o Conselho Europeu de omitirem "a sua própria responsabilidade, não só na adoção das medidas que esmagaram rendimentos e provocaram a destruição massiva de riqueza e da produção nacional, como também, designadamente, na sua direta ingerência na resolução do Banif, que elevou o défice de 2015 de 3% para os 4,4%, o que tem servido de argumento aos defensores da aplicação de sanções".

O facto de estar em cima da mesa a possibilidade de congelamento dos Fundos Estruturais consiste, para a CGTP, numa "arma de subjugação e controlo do Estado português [...] num período em que o investimento público e privado assenta nos projetos realizados ao abrigo do Portugal 2020".

Tal congelamento, a acontecer, "significaria a derrocada do investimento, com enormes implicações no crescimento económico de 2017 e dos anos subsequentes", avisa a CGTP.

A 27 de julho, a Comissão Europeia recomendou ao Conselho o cancelamento das sanções a aplicar a Portugal. Segundo as regras europeias, a instituição tinha 10 dias para se pronunciar.

Esse prazo terminou na segunda-feira à meia-noite e, na ausência de uma oposição por maioria qualificada, a proposta da Comissão Europeia foi adotada automaticamente.

Nesse sentido, Portugal deve corrigir o défice em 2016 e Espanha em 2018, com o Conselho a exigir que os dois países remetam um relatório até 15 de outubro com as medidas de consolidação a serem tomadas ainda este ano.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.